Acompanhe no youtube
inscreva-se

5 clássicos empoderadores

5 clássicos empoderadores

A literatura tem uma lista grande de mulheres que nos inspiram e algumas delas (se não todas) tiveram que enfrentar muitas barreiras e críticas fervorosas por expressarem suas opiniões atemporais.
Pensando nisso, listei cinco clássicos escritos por autoras que me marcaram em determinados momentos da minha vida, e que vez por outra ainda recorro à essas histórias conservando o máximo de aprendizado que posso.

1. O Quinze – Rachel de Queiroz
Rachel de Queiroz foi a primeira mulher a entrar para a Academia Brasileira de Letras, e apenas isso bastou para admirá-la. E essa admiração ficou ainda maior quando li O Quinze. Esse foi romance de estreia dela e causou grande impacto no seu ano de lançamento por narrar os infortunios da seca de 1915 que assolou o Estado do Ceará, deixando cidades inteiras devastadas pela miséria. A narrativa em prosa simples e comovente dá vida a história de uma família de retirantes aflitos pelo caos trazido pela seca, marcha em direção a Amazônia em busca de sobrevivência. E também nos envolve com a história de uma moça, apaixonada por romances franceses, angustiada por um amor irrealizado. E ao mesmo tempo que sofre, tenta se pôr firme para ajudar aqueles atingidos diretamente pela grande seca.

O Quinze é uma importante referência à história do Ceará e é visto como um testemunho de uma época em que o quadro social era degradável, onde pessoas clamavam por redenção e chuva.

2. Orgulho e Preconceito – Jane Austen

Os livros da Jane Austen já são praticamente membros da família pra mim *risos*, e Orgulho e Preconceito, pegando como exemplo a referencia da própria autora, é considerado meu filho querido. Acredito que em algum momento da vida todo mundo já ouviu falar desse livro, até porque ele possui inúmeras adaptações tanto na literatura, quanto no cinema e na TV. Muitos dizem que é um clichê, pois a história resume-se basicamente em um romance improvável entre uma moça pobre e um rapaz rico. De fato, o clichê é evidente mas Jane Austen é Jane Austen e com um pouco do humor ácido característico da autora, Orgulho e Preconceito tornou-se um dos melhores romances de época que eu já li.

A mistura da personalidade forte e impositiva da Lizzie e o jeito taciturno e antissocial do Sr. Darcy, é o exemplo perfeito entre duas perspectivas totalmente contrárias sobre os aspectos cotidianos, e o resultado disso são deliciosos diálogos acalorados entre os dois. Além do mais o livro questiona os valores da sociedade inglesa no século XVIII e como as primeiras impressões influenciam nosso discernimento sobre determinadas coisas ou pessoas.

COMPRE NA AMAZON

3. Jane Eyre – Charlotte Bronte

Acostumados com romances típicos da Era Vitoriana nos deparamos com Jane Eyre que é indiscutivelmente diferente dos outros publicados naquele período. Isso porque Charlotte Bronte deu uma voz independente a sua personagem, deixando claro que as mulheres têm a mesma necessidade dos homens de expressar opiniões e de obter conhecimento. Bronte criou uma heroína que questiona a ideologia criada pelos homens na Era Vitoriana, de que suas únicas aspirações deveriam ser a maternidade e as obrigações do lar. Jane Eyre tem características subversivas ao padrão exigido e batia o pé se recusando-se a ser resignada em um estereótipo do tipo “bela, recatada e do lar”.

Não é uma leitura curta, pois o livro conta com mais ou menos 700 páginas, mas seu enredo é tão fluido e envolvente que isso torna-se irrelevante.

COMPRE NA AMAZON

4. A Cor Púrpura – Alice Walker

A Cor Púrpura conta a história de Celie, uma jovem negra e pobre marcada pela brutalidade dos abusos físicos e psicológicos causados pelo padrasto, em meados do século XX no Sul dos Estados Unidos. Ela é semianalfabeta mas tem o costume de escrever cartas para Deus e para sua irmã Nettie, uma missionária da África, que foi afastada dela ainda na adolescência quando Celie foi vendia a Albert, um homem violento e que só a enxerga como um objeto cuja função é satisfazer suas necessidades.

Em sua trajetória ela vai ganhando novos amigos, um deles é a cantora e amante de Albert, Shug Avery. Mesmo com as experiências infelizes, Celie tem uma visão inocente das coisas e sente afeição imediata pela Shug. Por ciúmes ou despeito, Shug é arredia no começo mas logo o sentimento é recíproco dando início a uma bela e singular amizade.

Apesar da premissa dramática, esse livro tem um tom humorístico peculiar e sua intensão não é fazer os leitores chorarem. A autora enfatiza que sua obra serve como crítica a cultura machista sobre o papel da mulher na sociedade.
A Cor Púrpura é um clássico feminista que além de relatar a história triste de Celie, aborda questões pertinentes sobre a busca pela igualdade de gênero.

COMPRE NA AMAZON

5. O Sol É Para Todos/Vá, Coloque Um Vigia – Harper Lee

(Sei que disse que seriam 5 clássicos, mas apensar de Vá, Coloque um Vigia ser um lançamento de 2015, foi escrito antes de O Sol É Para Todos e funciona como uma continuação, achei que não fazia sentido indicar apenas um, portanto encarem como bônus ok?!)

Em O Sol É Para Todos lançados originalmente 1960, conhecemos Jean Louise (a Scout), filha de Atticus Finch um advogado respeitado na cidade de Maycombe, cidade interiorana dos Estados Unidos, que tem a difícil tarefa de defender um negro acusado de estuprar uma mulher branca. A história se passa nos anos 30 e é narrada pela perspectiva da Scout, contada de forma inocente e humana sobre o olhar de uma criança vivenciando situações que, infelizmente, ainda tão atuais como o racismo e a desigualdade social.

Em Vá, coloque um vigia há um salto de 20 anos e uma Jean Louise já crescida se depara com praticamente a mesma realidade de antes. Por conta de algumas descobertas a respeito de sua família, ela põe seus valores e ideais à prova. Dessa forma acompanhamos seu amadurecimento e as consequências dele.
Essas são leituras indispensáveis exaltando a prática da empatia e da tolerância, e exemplificando como o preconceito é destrutivo para a sociedade.

COMPRE NA AMAZON

Então vai lá, pega uma boa xícara de café, escolha qualquer um (ou todos) da lista e boa leitura!

Aproveite para nos seguir nas redes sociais!
Facebook ☁ Instagram ☁ Twitter ☁ Tumblr ☁ Google +  ☁ Pinterest ☁ Youtube  Blogvin ☁ Flickr

Leave a Comment

Leave A Comment Your email address will not be published

CRÔNICAS

sonhei com você.

Acordei hoje com um sorriso amargo. Sonhar com você está sempre repleto de dualidade, ao mesmo tempo que gosto daquela sensação de proximidade, fico triste pela saudade que bate mais forte depois de uma noite inteira sonhando com você.

Read More