Aeroportos são uma bagunça.

Uma bagunça de sentimentos sendo carregados em malas de mão ou despachadas em voos só de ida.

Todos rosto que você encara tem um caminho expresso em um sorriso ou em uma lágrima. Sejam reencontros ou partidas, os destinos sempre se cruzam em abraços e atrasos apertados que doem até em quem olha de longe esperando seu chamado pelo auto falante.

Mas o que me fascina mesmo em aeroportos são as pessoas que já estão tão acostumadas com o partir e o chegar que fazem disso sua rotina.  O habito entre um café e um pão de queijo. Pessoas que estão tão ligadas ao celular que esbarram umas nas outras sem perceber, sem se importar.

Enquanto o funcionário da companhia aérea avisa pelo auto falante pedindo o despache da bagagem, você nota atento o medo ao redor daqueles que odeiam despachar seus itens tão pessoais e preciosos, mas as vezes deixaram coisas muito mais importantes minutos antes daquele embarque.

Aeroportos são uma bagunça completa.
Assim como nós mesmos.