Carta a D, de André Gorz

Carta a D, de André Gorz

“Preciso reconstruir a história do nosso amor, apreender todo seu significado. Ela foi o que permitiu que nos tornássemos o que somos; um pelo outro, um para o outro. Eu lhe escrevo para entender o que vivi, o que vivemos juntos.”

Este é o último livro do filósofo francês André Gorz, escrito para homenagear sua mulher, Dorine, com quem partilhou a vida por quase sessenta anos. O casal foi muito ativo política e intelectualmente, mas Carta a D conta uma grande história de amor e companheirismo. Após terem se conhecido em Lausanne na Suíça, numa noite de neve, em outubro de 1947, nunca mais se separaram.

André era judeu e como muitos da sua época, teve que se exilar em outros paíse para se proteger da perseguição nazista. Era um dos intelectuais do Existencialismo Marxista, juntamente com Jean-Paul Sartre. Gorz era um crítico radical da mercantilização das relações sociais, contrário à crença no trabalho assalariado, além de ser autor de vários livros sobre ecologia. Depois de romper com a ideologia ficou conhecido como um dos grandes teóricos da Ecologia Política.

Desde o início da década de 90 Górz vivia em retiro com Dorine, que sofria havia anos, de uma doença degenerativa. A carta tem um tom de retratação, onde ele se desculpa de como a retratara em um livro anterior, em que ele havia descrito-a como frágil e dependente dele, quando a verdade era totalmente o contrário. Na carta ele reconta a história de amor deles, para se desculpa de todas as vezes que ele subjugou-a.

“Por que então eu pareço estar tão certo de que a nossa separação seria mais suportável para você do que para mim? Para não confessar o contrário? Por que, afinal, eu disse ser responsável ser o responsável pelo rumo que a [sua] vida tomava, e que cabia a mim “tornar a [sua] vida possível”? Ao todo, onze linhas de veneno em três doses, distribuídas em vinte páginas, três pequenos toques que a diminuem e a desfiguram, escritas sete anos depois; e que nos roubam o significado de sete anos da nossa vida.”

A carta é linda mas muito pesarosa, apesar de ser uma declaração de amor, o tom da missiva é triste e angustiado. André se culpa por tê-la inibido, por não ter conhecido antes a importância da história deles. Ele se culpa por ter dado demasiada importância a vida externa ao casal, e a exalta como impecável companheira e cúmplice, e que no final das contas “só uma coisa me era realmente essencial: estar com você.”

“Eu havia chegado à idade em que a gente se pergunta o que faz da própria vida, o que queria ter feito dela. Tinha a impressão de ter vivido a minha vida, de tê-la sempre observado à distância, de só ter desenvolvido um lado de mim mesmo, e de ser pobre como pessoa. Você era e sempre tinha sido mais rica que eu. Você se desenvolvia em todas as suas dimensões. Estava firme em sua vida, enquanto eu sempre me apressara a passar à minha tarefa seguinte, como se a nossa vida só fosse começar mais tarde.”

Quando ele se aposentara de uma Revista na qual escrevia, para estar com Dorine em tempo integral, assusta-se com a facilidade em que o rompimento se deu, pois nas palavras dele: “eu não posso me imaginar escrevendo se você não existir.”

Lendo Carta a D, sinto que Górz quis eternizar seu amor por Dorine, enquanto ainda tinha tempo, com a doença, se deu conta de que precisava viver plenamente para esse amor, enquanto ainda podiam. Uma escolha que Dorine, pelo que ele retratou, tinha feito desde a primeira dança juntos.

O casal cometeu suicídio em 22 de setembro de 2007; os corpos foram encontrados um ao lado do outro, e um cartaz, na porta de sua casa, pedindo que a polícia fosse avisada.

É lindo, é triste, e é difícil não se emocionar com o amor de André e Dorine. É uma história de amor real, sem firulas ou pieguismo. É história de duas pessoas que se escolherem e viveram em cumplicidade até o fim.

“(…)Eu vigio a sua respiração, minha mão toca você. Nós desejaríamos não sobreviver um à morte do outro. Dissemo-nos sempre, por impossível que seja, que, se tivéssemos uma segunda vida, iríamos querer passá-la juntos.”

Vale demais a leitura!

Onde Comprar:
Submarino

{ Esse livro foi enviado pela editora Companhia das Letras para resenha no blog. Em compromisso com o leitor, sempre informamos toda forma de publicidade realizada pelo blog 

Aproveite para nos seguir nas redes sociais!

Nayane Moura
Nayane Moura

Sou Nayane Moura, mas podem me chamar de Nay. Tenho 25 anos. Nascida e criada na Terra da Luz. Minha casa é meu Reino. Não há nada melhor que o aconchego do lar. Mas adoraria conhecer o mundo e suas maravilhas. Adoro seriados e filmes. Livros são minha paixão e as melhores companhias.

No comments yet. Be the first one to leave a thought.
Leave a comment

Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.