Best-seller italiana fala sobre luta das mulheres por igualdade de direitos em novo romance

Sveva Casati Modignani escreve sobre o universo feminino como poucos. Com mais de 18 romances publicados, traduzidos para 17 países, a Italiana é considerada uma das maiores best-sellers em seu país e já vendeu mais de 10 milhões de livros ao redor do mundo. Lançamento do selo Quinta Essência, da editora LeYa, 6 de abril é o novo romance de Sveva, mas está longe de falar apenas de amor. O livro tem como ponto central a luta das mulheres por igualdade de direitos.

“Cada livro meu é um confronto com o mundo feminino, o que sucede à minha volta, o que acontece à volta das mulheres. Me agrada imaginar que para os homens as mulheres são muito difíceis de interpretar. Gosto de pensar que há leitores curiosos que se deixam fascinar por estes mistérios do universo feminino”, afirma Sveva.

O livro conta a história de Irene Cordero, uma jovem e bela mulher que, numa agradável manhã de verão, é brutalmente atacada na igreja milanesa de San Marco. Quando desperta da delicada cirurgia a que foi submetida, se depara com uma realidade desconhecida. O golpe que sofreu lhe rouba a memória e a busca por sua identidade irá trazer de volta cicatrizes então adormecidas pelo tempo.

A pesada herança que deixou para trás volta com força. Um passado de repressão e de luta, onde sua avó e sua mãe haviam pagado caro pela tentativa de seguir o coração, desafiando os costumes e convenções locais que só permitiam às mulheres a submissão e a obediência, e que a obrigou a abandonar suas raízes aos 18 anos para seguir sozinha seu caminho. Apesar de ter conquistado o sucesso profissional que tanto almejou a jovem italiana ainda estava longe de alcançar o equilíbrio emocional.

6 de abril é um romance e uma crônica dos dias modernos. A história de uma jovem que tem a luta pelos direitos da mulher no sangue e que, mesmo com toda a liberdade conquistada, ainda se vê presa aos estigmas do passado.

“A vida das mulheres não é nada fácil. Desde o início da História sempre foram consideradas seres humanos de segunda classe. Na civilização grega, os gregos descobriram tudo, inventaram a democracia. Estas pessoas tão evoluídas intelectualmente inventaram uma divisão da casa para onde relegavam as mulheres, que não podiam de forma alguma intervir na vida social. Os homens serviam-se delas unicamente para preservar a espécie. Não é estranho que todas estas decisões sejam tomadas exclusivamente por homens? Não será que o poder do mundo poderia ser partilhado entre homem e mulher? Me parece que chegou o momento das mulheres se darem conta de quão belas e fortes são e encontrarem a coragem de dizer estamos aqui e vamos mudar isso. Pode ser que as coisas corram melhor”, analisa Sveva.

Sobre a autora:

Internacionalmente reconhecida como escritora Best-seller, a italiana Sveva Casati Modignani, nome artístico de Bice Cairati, é exímia em presentear os seus leitores com histórias repletas de enredos femininos e envolventes. Suas obras estão traduzidas em 17 países e já venderam mais de dez milhões de exemplares.