Acompanhe no youtube
inscreva-se
Infância, honra e heroísmo em “Os meninos da Rua Paulo” de Ferenc Molnár

Infância, honra e heroísmo em “Os meninos da Rua Paulo” de Ferenc Molnár

Infância, honra e heroísmo em “Os meninos da Rua Paulo” de Ferenc Molnár

“(…)já não se assustavam tão facilmente. Na verdadeira guerra, com soldados de verdade, dá-se o mesmo. Enquanto não veem o inimigo, têm medo até das moitas do caminho. Mas quando as primeiras balas lhes passam, assobiando, perto do ouvido, criam coragem, sentem-se como que embriagados e esquecem que estão correndo para morte.”

Narrando o confronto épico entre dois grupos de meninos, ambientado em um país bem distante, a Hungria, e usando como referência fatos e personagens histórico, temos Os meninos da rua Paulo, escrito por Ferenc Molnár em 1906.

Na trama somos agraciados pelas aventuras de Boka, Csele, Csónakos, Kende, Kolnay, Weiss, Barabás, Géreb e Nemecsek, que se reúnem sempre no mesmo grund, para jogar pela. O lugar situado na Rua Paulo, é para esses meninos uma espécie de terreno militar em que eles ocupam e zelam. Há então um outro grupo, intitulado de Camisas-vermelhas, liderado pelo temido Chico Áts que têm interesse em enxotar os meninos da Rua Paulo, tomando posse do grund.
A partir daí, começa uma grande disputa territorial entre esses dois grupos, semelhante (e tão altivamente articulada) a uma guerra de fato. Essa “guerra”, tem um sentido infantilizado, é claro, mas que não se banaliza, pois a luta deles é tão engrandecedora quanto as que foram escritas para os adultos.

AirBrush_20170211144851

A construção dos personagens, sobretudo, Boka (o líder dos meninos) e Nemecsek (o soldado raso, tido com o “café-com-leite” da turma) é sensacional. Todos os defensores do grund tem uma grande relevância na história, mas Boka e Nemcsek são aqueles que ascendem e dão o tom nobre e honroso que a história tem. A postura calma, respeitosa e inteligente faz de Boka o personagem no qual a integridade sempre se destaca. Ele muito querido, não só pelos meninos do grund, mas pelos leitores também. Porém não é a ele a que se deve a grandeza da história. Nemecsek, o loirinho atrapalhado e franzino e que nunca é levado a sério pelos outros meninos, é a verdadeira personificação da lealdade de um bom soldado. E pra mim é o verdadeiro herói do livro.

Eu creio que em algum momento da vida, todos nós já tenhamos lido ou pelo menos ouvido falar. Eu mesma, já fui diversas vezes induzida a ler esse livro, mas só agora o fiz. E mesmo lamentando não ter lido antes, valeu a pena cada surpresa, encanto, frustração, alegria e tristeza.

AirBrush_20170211144916 (1)

Apesar de ser um clássico da literatura mundial, é originalmente direcionado para o público infanto-juvenil. E é quase universalmente falado que os clássicos nos são incutidos forçadamente, ainda na escola. A linguagem rebuscada predominante nas obras, distância os leitores jovens e rotula-os como enfadonhos. E Os meninos da Rua Paulo se põe justamente a quebrar esse paradigma. Como bem observa o tradutor, Paulo Rónai, são poucos os livros clássicos voltados para os jovens e crianças. O que normalmente se faz é adaptar os que foram escritos para adultos. A bem da verdade, é que essa escassez desse tipo de livro voltados para os jovens, ou a escassez do incentivo (o que é bem mais grave), é que dificulta o hábito de leitura.

Em suma, o que Molnár propõe em Os meninos da Rua Paulo é que mesmo se tratando de uma disputa infantil por um terreno baldio, a história abre muitas reflexões acerca dos valores criados ainda na infância – inocência, lealdade, traição, honra e, mais fortemente sobre o que configura “heroísmo” – e que perpetuam a vida toda. E o mais legal é que pode-se lê-lo em qualquer idade. Talvez para crianças ele seja uma importante referência para formação de caráter e para os adultos funcione com uma análise reafirmando os valores adquiridos na juventude.

Livros assim não podem nunca cair no esquecimento e também não podem deixar de estar acessíveis aos leitores, não é mesmo?! Por isso a Companhia das Letras o pôs no seu catálogo de 2017. A edição (lindíssima, diga-se de passagem) tem tradução, prefácio e notas de Paulo Rónai e conta com mais dois textos de apoio, por Nelson Ascher e Michel Laub.

Os meninos da Rua Paulo é um livro sensível, simples ao mesmo tempo grandioso em sua mensagem e por isso o recomendo sem hesitar.

Boa leitura!

Onde Comprar:  Amazon  – Amazon KindleSubmarinoAmericanas Saraiva

AirBrush_20170211144823

ISBN-13: 9788535928464 | ISBN-10: 8535928464 | Ano: 2017 | Páginas: 280 |Editora: Companhia das Letras

Ferenc Neumann nasceu na Hungria, em 1878, em uma família judia de classe média. Conforme as leis do Império Austro-Húngaro, que pretendiam aclimatar a população judaica na sociedade, teve seu sobrenome traduzido para o magiar, o idioma húngaro. Assim, Neumann transformou-se em Molnár, “moleiro”. Aos vinte anos já publicava contos e romances, e teve diversas peças de teatro encenadas em toda a Europa. Entre suas principais obras estão a peça Lilion (1909), adaptada para o cinema por Fritz Lang em 1933, e Os meninos da rua Paulo, levado às telas três vezes: em 1929, num filme mudo de Béla Balogh; em 1969, com Essa rua é nossa, de Zóltan Fábri; e em 2003, num filme para a TV italiana de Maurizio Zaccaro. A ascensão do nazismo obrigou Molnár a se exilar nos Estados Unidos, em 1939. Morreu em Nova York, em 1952, sem ter voltado à Europa. Escreveu a peça de teatro Egy, kettö, három que foi adaptada para o cinema em 1961 por Billy Wilder (One, Two, Three).

{ Esse livro foi enviado pela editora Companhia das Letras. para resenha no blog. Em compromisso com o leitor, sempre informamos toda forma de publicidade realizada pelo blog

Baci ;*

Aproveite para nos seguir nas redes sociais!

Facebook ☁ Instagram ☁ Twitter ☁ Tumblr ☁ Google +  ☁ Pinterest ☁ Youtube  Blogvin ☁ Flickr

Relacionados

Leave a Comment

Leave A Comment Your email address will not be published

CRÔNICAS

sonhei com você.

Acordei hoje com um sorriso amargo. Sonhar com você está sempre repleto de dualidade, ao mesmo tempo que gosto daquela sensação de proximidade, fico triste pela saudade que bate mais forte depois de uma noite inteira sonhando com você.

Read More