Acompanhe no youtube
inscreva-se

[Resenha] Prophecy #1 de Tetsuya Tsutsui | @editorajbc

[Resenha] Prophecy #1 de Tetsuya Tsutsui | @editorajbc

Sinopse: O mais novo “viral” do famoso portal de postagem de vídeos são os vídeos de um misterioso homem que usa máscara de jornal e que anuncia os delitos que cometerá em um futuro próximo. Quando a polícia se dá conta de que os crimes estão realmente sendo cometidos conforme anunciados, o departamento anti-crimes cibernéticos [provisório] entra em ação para desmascarar o criminoso e deter futuros anúncios! Abrem-se as cortinas da peça que retrata o terrorismo em tempos que a informação transborda todas as barreiras da sociedade!

Vilões e heróis são apenas uma questão de ponto de vista.

 A JBC sempre me surpreende, acho até estranho pois eu acho que nunca resenhei algo que fosse totalmente negativo por aqui (talvez alguns contos de Manga Of Dead). E hoje eu venho falar de mais um mangá que eu gostei muito. E juro que eu nem queria tanto gostar assim. Achei que seria fraco, não desenvolveria bem o personagem.  Copiaria muita coisa de outras obras e eu fiquei com medo. Mas óh. Não é que me surpreendi?

Tirei milhões de fotos desse passarinho. Ele ficava fazendo pose e não voava. Super fofinho.

Prohphecy é um quadrinho (e se for reclamar de eu ter chamado mangá de quadrinho, ouça esse literáriocast, obrigada) que discute crimes virtuais. Ele trás a tona algo que eu discuti nesse texto aqui. Sobre o ódio, a revolta e o quanto as pessoas se aproveitam do anonimato para soltar sua raiva, medo e principalmente frustração, na web.

O texto de Tetsuya poderia ser fraco se ele não tivesse um objetivo tão claro. O que no começo parece ser um simples adolescente “pagando de fodão na internet”. É algo muito maior e vira realmente uma questão mais tensa e com um objetivo. Só que o quadrinho trabalha isso de forma lenta e primeiro te deixa criar uma “falsa” opinião sobre os acontecimentos para após você fazer todas as suas conclusões, te dizer o que realmente é.

Eu fiquei muito contente com o final desse primeiro volume e acredito que possa ser bem desenvolvido. Gostei principalmente do fato de ser apenas uma trilogia. Em três volumes o autor vai conseguir escrever o que precisa, sem enrolar e criar seres com grandes poderes, se perder no caminho.

Prophecy trabalha a questão de que heróis e vilões podem ser apenas pontos de vistas diferentes, o meu vilão, não é o seu herói e vice versa.  E acho que isso pode ser muito bem trabalhado e quem sabe, esse mangá até nos faça repensar todo o “hater” na internet, não como algo positivo, mas para realmente não fazer isso.

Sim, fui na praça do japão tirar as fotos da resenha <3

Edição: 1 | Editora: JBC | Ano: 2014 | Páginas: 220 | Tradutor: Karen Kazumi Hayashida

Nota: 3,9/5

Comprar:  Bancas (?) | Estou procurando link em lojas online.

Aproveite para nos seguir nas redes sociais!
Facebook ☁ Instagram ☁ Twitter ☁ Tumblr ☁ Google +

post

Relacionados

2 Comments

  • 3 anos ago

    Anna, parece interessante!

    As discussões sobre os perigos do suposto anonimato da internet são extremamente relevantes em uma época de tamanha evolução tecnológica e de pessoas cada vez mais inconsequentes e individualistas.

    Ótima dica!

    Bjs, Isabela 😉

  • 3 anos ago

    Praça do Japão! 8]

    Eu acho bem legal essas propostas de mangás Seinen (com temática mais madura), mas o problema, acho eu, de falar de ferramentas digitais seja datar a obra automaticamente. Não tem como saber como vão ser as formas de relacionamento virtual daqui uns anos. Mas o bom é que contém assuntos que sobressaiam da sua liguagem, temas universais, como a difusão de ódio.

    Um mangá que queria ler, mas ainda não consegui é o 20th Century Boys. Pelo que vi ele também lida bastante com mistério e investigação, e um personagem mascarado (que droga de resumo).

Leave a Comment

Leave A Comment Your email address will not be published

CRÔNICAS

sonhei com você.

Acordei hoje com um sorriso amargo. Sonhar com você está sempre repleto de dualidade, ao mesmo tempo que gosto daquela sensação de proximidade, fico triste pela saudade que bate mais forte depois de uma noite inteira sonhando com você.

Read More