[Resenha] Psicose de Robert Bloch | @DarkSideBooks

Sinopse: Livro que deu origem ao mais famoso filme de suspense de todos os tempos. Psicose conta a história de Marion Crane, que foge após roubar o dinheiro que foi confiado a ela depositar num banco. Ela então vai parar no Bates Motel, cujo proprietário é Norman Bates, um homem atormentado por sua mãe controladora. Belo suspense, de tirar o fôlego!

“Agora, ele tinha de encarar a realidade. A mãe era mais do que doente. Era uma psicótica perigosa. Ele tinha de controlá-la e o faria.”

 Vocês já sabem da minha paixão por livros policiais, já conhecem o quanto eu gosto de livros sobre psicopatas e também conhecem o quanto admiro o trabalho da Editora Darkside Books. Então é obvio que Psicose seria um livro super prazeroso de ler. Mas calma, eu vou contar os motivos para vocês e claro, tentar convencê-los a ler.

Psicose é mais uma daquelas histórias que a gente já viu de tantas formas, já ouvimos e vimos tantas vezes que achamos que já conhecemos todos os detalhes e que não “compensa” ler o livro. E quando pegamos realmente a obra em mãos é que descobrimos o quanto esse pensamento é errado e deve ser morto com uma facada durante o banho.

Se você entendeu a piadinha então você já sabe que Psicose de Robert Bloch foi o livro que inspirou o grande clássico de Hitchcoch. E sim, a história do filme é bem fiel a obra e você vai se surpreender com alguns detalhes trabalhados aqui.

Uma das coisas que mais me impressionaram na obra de Robert é como ele escreve bem. Não é difícil ler ou complicado, Psicose é um livro que qualquer pessoa vai conseguir aproveitar todo o conteúdo sem se perder na história ou nos caminhos que o autor vai dar para ela. Achei isso fantástico e compreendi assim, como foi um grande trabalho a adaptação de Hitchcoch que precisou trabalhar com um roteiro tão bem feito nas páginas de um livro para as telas do cinema sem perder o brilho ou desmerecer seu trabalho perante o escrito.

Trabalhando com um assunto delicado, como transtornos psicológicos, o livro Psicose mostra mais uma vez o quão longe pode se ir quando se entende sobre o tema e se tem uma boa ideia.  Com um começo que te engana muito bem e transforma cada ato do personagem em uma busca sem fim do leitor para chegar naquela parte tão esperada que você precisa descobrir se é como o filme, Psicose é um dos únicos livros que são sim melhores que o filme e que eu recomendo que você leia depois de assistir ao filme.

Aqui infelizmente não temos os personagens em movimento, nem todo o drama musical do momento fatídico, mas temos os pensamentos dos personagens de uma forma tão real e interessante que não conseguimos largar a leitura até que todos os pontos estejam resolvidos e tenham sido nos apresentado.

Essa caneca é da Canecaria.

Um livro que com toda a certeza está na minha listinha de preferidos. Ele merece estar na sua estante ! ?

E agora, se a história e os meus pontos já começaram a te convencer a ler, eu preciso dizer que o trabalho gráfico da Editora Darkside Books consegue  ser um exemplo de como transformar papel em obra de arte. Confira as fotos e se apaixone!

O que você achou?  O livro também tem uma versão com capa dura. Confira no post do Pipoca Musical.

Edição: 2 | Editora: DarkSide® Books | ISBN: 9788566636154 | Ano: 2014 | Páginas: 240

Nota: 5/5

Comprar: Submarino | Saraiva  | Saraiva (Capa Dura)

Aproveite para nos seguir nas redes sociais!
Facebook Instagram Twitter Tumblr Google +

autoresRobert Albert Bloch (Chicago, 5 de abril de 1917 — Los Angeles, 23 de setembro de 1994), foi um conceituado escritor norte-americano, mais conhecido pelo seu romance de horror Psicose (1959). Posteriormente a história foi adaptada para cinema pelo célebre realizador Alfred Hitchcock, em que Janet Leigh e Anthony Perkins fizeram parte do elenco. Foi também conhecido como roteirista e um autor prolífico no gênero da ficção científica.

post

Share:
10 comments so far.

10 respostas para “[Resenha] Psicose de Robert Bloch | @DarkSideBooks”

  1. Raquel Moritz disse:

    Anna Maria da Silva Sauro,

    Em primeiro lugar: lindas fotos (?), mas isso você já sabe. Gostei muitão das coisas que você falou. Robert Bloch realmente escreve muito bem e é acessível. Eu, assim como você, recomendo a leitura depois de ver o filme porque assim você aproveita 110% dos artifícios do Bloch de ~falar sem dizer~. Depois que vc sabe o final, cada linha de diálogo fica mais irônica e sensacional.

    Eu gostei bastante do livro, e ambas as edições são maravilhosas. Obrigada pelo link, aliás 😉

    BEIJO GIGANTE AGORA MANDA ESSA CANECA PRA CÁ
    xau ?

  2. Italo disse:

    Oi, Anna!
    Tô sumido aqui, né? Mas, vou voltar! HAHAH
    Antes de mais nada, um salva de palmas para a Darkside. Acho incrível o trabalho que eles tem com os livros, porém, ainda não tive a oportunidade de ter nenhum.

    Mas, é um dos livros que mais quero! Psicose parece ter uma história super legal, e como você disse, é policial. Policial é amor <3.

    Beijos,
    Italo.

  3. Nicolas Ueda disse:

    Eu preciso demais conhecer essa história. Tanto porque ela é em si um clássico, como porque toda vez que vejo falarem dela me bate uma culpazinha, ainda mais por eu ainda não ter visto nenhum filme do Hitchcock.

    Sobre a questão de adaptação, em minha sincera opinião, eu acho até melhor quando livro e filme tem certas diferenças. É óbvio que um deve respeitar o outro, as características principais da história e seus autores. Mas são mídias diferentes, e que precisam dialogar de formas diferentes.

    Em um filme tudo precisa ser muito visual, usar as questões técnicas para aquela cena prender na cabeça de quem está vendo. Já em um livro, dá pra se focar muito mais na complexidade da descrição, abordar vários fatores e enfatizá-los.

    E é isso que acaba me incomodando quando vejo adaptações que tentam refazer demais o que a história original já apresentou, como o filme do Watchmen por exemplo. Acho necessário apresentar pontos de vistas diferentes para cada ferramenta, e não simplismente copiar tudo de um pra outro.

    Mas pelo jeito esse não é um problema do Psicose. 🙂

    • Anna Schermak disse:

      Oi Nicolas, concordo com você. São mídias diferentes, logo precisam de adaptações diferentes. Acho que isso funciona bem em o Clube da Luta que o final e diferentes nas duas obras. Mas já em O Iluminado, eu não gosto. Amo o filme, mas acho que sou mais fã do King e isso me deixa olhar a adaptação com um olho preconceituoso pro final.

  4. Adorei a resenha e fiquei morrendo de vontade de ler o livro. Ainda não assisti ao filme mas vou fazê-lo o mais rápido possível. A Darkside Books é uma editora super elogiada pelo trabalho gráfico de seus livros, preciso ter um deles na minha estante <3

    Beijo,
    Naty.

  5. […] Psicose de Robert Bloch – Darkside Books […]

  6. […] livros citados acima, eu já resenhei “Psicose” aqui no blog. Falei bastante sobre a obra do Bloch e qual foi a minha experiência na […]

Deixe uma resposta para Natália Alves Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Anna Schermak

Anna Schermak

26 anos, Curitibana, Formada em Marketing. Criadora do Pausa Para um Café e Social Media na maior parte do tempo. Apaixonada por cachorros, cafés e bons livros.

PESQUISE

PUBLICIDADE

DICA DE CURSO

COLUNAS

Submarino

Últimos Vídeos