Acompanhe no youtube
inscreva-se

[Resenha] Revivente de Ken Grimwood| @gutenberg_ed

[Resenha] Revivente de Ken Grimwood| @gutenberg_ed

Sinopse: Jeff Winston é um jornalista de rádio de 43 anos, que está preso em um casamento fracassado e um emprego sem futuro. Ao sentir uma forte dor no peito, morre instantaneamente. Momentos depois, acorda em 1963, em seu quarto da época de faculdade, com 18 anos novamente, e lembrando-se perfeitamente de tudo o que aconteceu. Sem entender o que está ocorrendo, a única coisa que sabe são os fatos de sua vida e do mundo que se repetirão, inclusive o dia de sua morte. As dúvidas invadem sua mente: o que fazer dessa “nova” vida? Cometer os mesmo erros ou fazer tudo diferente? Deixar que os grandes desastres da história aconteçam ou tentar interferir? Nesta surpreendente e premiada obra, que foi inclusive inspiração para o filme “Feitiço do tempo” (Groundhog Day), é uma aventura emocionante que desafia os limites do tempo.

E o que diabos então ele faria agora? Jogaria conforme o jogo? Mais carícias inadequadas com a lourinha inocente de outra época que nunca tinha ouvido falar de anticoncepcional? Voltar às aulas e às discussões adolescentes e aos bailes da primavera como se tudo aquilo fosse novo para ele? Memorizar tabelas de estatística que ele já tinha esquecido fazia tempo e para as quais nunca tinha visto utilidade, só para ser aprovado novamente em Introdução à Sociologia?

Quantas vezes você já quis fazer diferente? Quantas vezes você quis mudar a sua vida? suas escolhas e a suas ações? Pois então… Acho que pelo menos uma vez na vida a gente já pensou nisso, não é mesmo? E aqui em Revivente vamos parar para pensar muito nisso.

 

 Sabe aqueles livros que inspiram vários autores, obras e até outras mídias? Revivente é um deles. Com essa cara de livro novo e super atual, nós nos surpreendemos quando descobrimos que o livro originalmente foi publicado em 1988. É pois é… ainda estou indignada de um livro assim só ter sido publicado em pleno 2014, depois da morte do autor e de até termos filmes que se inspiraram em suas palavras.

Apesar de ser publicado pela primeira vez em 1988 o livro de Ken Grimwood é muito atual e consegue trazer assim como eu já disse anteriormente, uma discussão não apenas atual, mas praticamente diária.

O livro consegue trabalhar muito bem essa questão, tem uma escrita gostosa de se ler, mas nem sempre um personagem interessante e capaz de te cativar durante toda a narrativa.

Apesar de alguns pontos que podem desagradar o leitor, como o começo um pouco monótono que demora a engrenar e a trabalhar de uma forma interessante todo o universo e teoria criada pelo autor, o livro pode sim conduzir o leitor a uma experiência fantástica se esse o permitir. Sabemos que se esforçar para ler o livro é triste. Ele por si só deveria se sustentar e nos manter cada vez mais instigados a uma leitura interessante e fantástica. Mas nem sempre é assim. Escrever um livro é um exercício complicado e muitas vezes o ditado conhecido “os fins justificam os meios e começos desastrosos” se faz verdade.

Em resumo, Revivente é um livro que vale a pena. As vezes mais para alguns leitores do que para outros, mas com toda a certeza algum ponto, mesmo que mínimo vai te conquistar durante a leitura. Não vou mentir. Eu esperava mais, mas ele conseguiu me surpreender e completar bem aquilo que propôs.

A edição da editora Gutenberg ficou realmente muito bonita. O trabalho gráfico tanto da capa quando da diagramação criam uma vontade ainda maior de ler o livro.

Edição: 1 | Editora: Gutenberg | ISBN: 9788582351291 | Ano: 2014 | Páginas: 320

Nota: 3,8 / 5

Comprar: Livraria Travessa | Fnac | Saraiva

Aproveite para nos seguir nas redes sociais!
Facebook ☁ Instagram ☁ Twitter ☁ Tumblr ☁ Google +

autoresKen Grimwood nasceu em 1944, em Dothan, Alabama. Formou-se em Psicologia em 1970 pela Bard College. Trabalhou durante muitos anos como jornalista de rádio e teve seus primeiros livros publicados. Em 1988, passou a se dedicar exclusivamente à escrita, ano em que lançou este livro, com o título original de Replay. Entre outras obras, é autor de Breakthrough, Two plus two e Into the deep. Morreu em 2003, aos 59 anos, de ataque cardíaco, em sua casa em Santa Barbara, na Califórnia, enquanto escrevia a continuação de Replay, nunca terminada.
post

Relacionados

2 Comments

  • 4 anos ago

    Nossa, eu realmente fiquei com vontade de conhecer a obra.

    Acho que assim como eu, muitas pessoas se sentem meio presas na rotina mundana e corriqueira, e meio que sentem como se pudessem prever o próprio destino, pois já sabem o que esperar para o dia seguinte.

    Eu sei que é meio triste, mas apesar disso eu ainda gosto de pensar que a ideia de destino, algo inevitável, uma besteira. Acho que todos nós temos a capacidade a si mesmos, e as próprias vidas. Muitas pessoas se culpam e gostam de se arrepender por coisas que nunca fizeram, mas esquecem daqueles momentos que valeram a pena, cada instante.

    Sei que é piegas dizer isso, mas acho que é o que importa mesmo. Só se vive no presente, o passado e o futuro são somente sombras.

    • 4 anos ago

      Acho que o livro é bem seu estilo, pelo que você comenta nas resenhas.
      Leia e depois me conte o que você achou 😉 Quero saber!

Leave a Comment

Leave A Comment Your email address will not be published

CRÔNICAS

sonhei com você.

Acordei hoje com um sorriso amargo. Sonhar com você está sempre repleto de dualidade, ao mesmo tempo que gosto daquela sensação de proximidade, fico triste pela saudade que bate mais forte depois de uma noite inteira sonhando com você.

Read More