Um desses dias fatídicos eu li no site VG24/7 um artigo sobre se a Square Enix deveria mesmo fazer um remake de Final Fantasy VII, isso devido a fortes rumores de que eles estavam trabalhando nisso. Nós já falamos sobre remakes aqui no Pausa, mas aproveitei essa ideia para voltar ao tópico e falar sobre um game específico, que esta no fundo do meu coração: Resident Evil 2. Desde o lançamento de Resident Evil Remake pra Gamecube, fãs de todo mundo (pode me incluir nessa) estão clamando para que a Capcom dê esse tipo de tratamento para o segundo episódio na sua clássica franquia de bioterrorismo. Colocando as adorações pelo jogo de lado, seria sábio refazer Resident Evil 2?

Acredito que a grande maioria de vocês conhece a situação atual da Capcom. Apelidada carinhosamente de CRAPcom, a empresa nipônica tem decepcionado fortemente seus consumidores, colocando excessivas DLC’s em seus jogos, algumas das quais já vinham em discos e você deveria pagar para liberá-las, ignorando boas franquias como Megaman e arruinando as franquias que estão vivas, como é o caso do próprio Resident Evil, com os medíocres Operation Raccoon City e o sexto episódio do cânone oficial.

Não desista, Claire, vamos continuar procurando as esperanças, devem estar aqui em algum lugar

Não desista, Claire, vamos continuar procurando as esperanças, devem estar aqui em algum lugar

Como uma empresa dessas pode refazer um clássico tão maior que ela mesma? No artigo sobre Final Fantasy, o escritor aponta o fator egoísmo como uma das razões de ele não querer ver este remake acontecer, é um bom ponto a se pensar. Tenho boas memórias de Resident Evil 2, as melhores da época do PS1. Não tenho noção de quantas vezes terminei esse jogo e, até hoje, ainda tomo sustos em alguns momentos. Foi nesse título que Shinji Mikami introduziu dois dos melhores personagens da franquia, um enredo realmente intrigante, uma aventura que não era nem exageradamente grande e nem ridiculamente pequena, a mistura perfeita de ação e terror.

Tendo em vista como Resident Evil 2 engrandeceu o gênero survival horror, o medo de que a Capcom suje o nome de um dos meus jogos mais queridos desde sempre é um fator que pesa para que eu não queira ver esse remake acontecer. É uma certeza grande de que a Capcom não saberia lidar com essa pressão de proporções universais, seria como a Konami querer um remake de Silent Hill 2. MAS, e coloque um grande mas nisso, um remake descente seria possível, em teoria.

É óbvio que um puro remake gráfico não seria interessante, financeiramente falando, para a Capcom, eles deveriam fazer como no remake do original, mudando alguns poucos detalhes, adicionando algumas áreas novas para serem exploradas, alguns novos puzzles, etc. E ninguém melhor para fazer isso do que Hideki Kamiya e o próprio Shinji Mikami, os cabeças por trás do projeto original. Sim, eu sei que seria um sonho, um sonho praticamente impossível, pois Shinji Mikami tem sua própria desenvolvedora, a Tango Studios e esta trabalhando recentemente em The Evil Within com a Bethesda. Kamiya ainda continua na Capcom, mas nada depende apenas dele, fora que a Capcom ainda pensa que survival horror não rende o suficiente para se arriscar tanto assim.

Protótipo do projetyo RE2 Reborn

Protótipo do projetyo RE2 Reborn

No fim das contas, não é impossível um remake de Resident Evil 2, o que seria impossível é este remake ser bom o suficiente para viver à altura do original. Uma desenvolvedora italiana, Invader Computer, esta trabalhando num projeto gráfico de Resident Evil 2 intitulado RE2 Renorn, onde pretendem recriar o game com gráficos atuais e oferecendo dois tipos de câmeras, a estática tradicional e a “over the shoulders”, implementada por Mikami em Resident Evil 4 e que influenciou metade dos jogos que vemos por ai hoje. Pelo menos um remake gráfico sem compromisso nós veremos. Quanto a você Capcom, cá entre nós, pense bem no que vai fazer, esse pode ser a sua volta ao sucesso ou seu tiro de misericórdia.