A noite da espera, Milton Hatoum (Livro 1 da Trilogia O Lugar Mais Sombrio)

“Não quero lhe falar Meu grande amor Das coisas que aprendi Nos discos Quero lhe contar como eu vivi E tudo o que aconteceu comigo “Viver é melhor que sonhar Eu sei que o amor É uma coisa boa Mas também sei Que qualquer canto É menor do que a vida De qualquer pessoa Por isso cuidado, meu bem Há perigo na esquina Eles venceram e o sinal Está fechado pra nós Que somos jovens Para abraçar seu irmão E beijar sua menina na rua É que se fez o seu braço O seu lábio e a sua voz Você me pergunta (…) Já faz tempo Eu vi você na rua Cabelo ao vento Gente jovem reunida Na parede da memória Essa lembrança É o quadro que dói mais Minha dor é perceber Que apesar de termos Feito tudo o que fizemos Ainda somos os mesmos E vivemos Ainda somos os mesmos E vivemos Como os nossos pais” Embalados pelo som e a letra da música de Belchior, interpretada por uma das maiores vozes da música brasileira, a saudosa Elis Regina, eu começo essa resenha hoje.

Mrs. Dalloway, de Virginia Woolf

“Em Literatura, fluxo de consciência é uma técnica literária, usada primeiramente por Édouard Dujardin em 1888, em que se procura transcrever o complexo processo de pensamento de um personagem, com o raciocínio lógico entremeado com impressões pessoais momentâneas e exibindo os processos de associação de ideias.