Foi com mais de 1000 lágrimas e um sentimento de estar acima do céu que terminei de assistir a Tre metri sopra il cielo <3

[youtube id=”xHwTXJ2YS_o” width=”600″ height=”350″]

Eu comecei a fazer Italiano, resolvi voltar as origens mafiosas da nona e começar a me dedicar realmente a algo que eu já queria a pelo menos três anos.
E foi ai que depois de algumas aulas de Italiano eu resolvi começar uma busca desenfreada por filmes, livros e músicas, realmente entrar no clima e incorporar meu lado italiano e eis que encontrei Tre Metri Sopra il Cielo.

A paixão do mais improvável dos casais, Babi, uma patricinha de Roma, e Step, um motoqueiro bad boy, é a trama de Três metros acima do céu.. Para viver o primeiro amor com toda sua intensidade, os protagonistas tentam se modificar, enquanto enfrentam a oposição da família da menina, o estranhamento dos amigos, as dificuldades de acertar o próprio relacionamento e de amadurecer. Entre pegas de moto, festas que varam noites, brigas homéricas, provas desesperadas de afeto e uma tragédia que mudará para sempre suas vidas, Step e Babi vivem um intenso romance.

Se você já leu Frederico Moccia esse nome e a sinopse vão lhe lembrar alguma história. Isso mesmo… Três Metros Acima do Céu. O livro do Moccia inspirou a história do filme e apesar de não ter lido o livro ainda posso dizer que é impossível não se importar e não se emocionar com a história de Step e Babi.

O filme tem duas versões, uma italiana e outra espanhola. As duas são lindas e praticamente uma a copia da outra. Poucas coisas diferenciam e muitos diálogos são iguaizinhos.

Temos algumas diferenças como os atores (é claro), e o clima da história. A italiana de 2004 é muito mais pesada e o Step nosso protagonista mal encarado tem realmente um estilo mais bad boy, enquanto Hace nosso espanhol do filme de 2010 tem um estilo mais bonzinho. Conseguimos conhecer seu lado menino e descobrir como ele virou um rapaz descontrolado e louco por uma briga.

No filme temos bem retratado como as mulheres sempre acabam procurando o perigo… Nossa protagonista se apaixona pelo estilo perigoso, sem medo e aventureiro… quer tudo que é possível ao lado dele e o que mais me fez gostar do filme foi realmente isso. Nenhum dos dois muda pelo amor.

Dois dois lados a brigas e desentendimentos durante TODO o filme, desencontros, voltas emocionantes e radicais e principalmente a briga da família que acha que a filha está indo para o mal caminho.

O filme trata o amor de uma forma diferente e aqui temos uma das principais diferenças entre os dois filmes. O que me fez chorar incríveis horas depois de terminar de assistir Três Metros Acima do Céu O FINAL VERDADEIRO.

Sim… sem flores, amores e com muita dor o final de Três Metros Acima do Céu acaba como qualquer romance da vida real… sem explicações e por inconsequência. Por não admitir errar, com medo de voltar atrás e quando volta… existe uma barreira gigantesca chamada orgulho.

E esse é um ponto que me fez gostar mais da versão italiana do que a espanhola. O filme italiano acaba sem resquícios de esperança, já o espanhol acaba com um final aberto a interpretações de um final bonito e de que tudo no final se ajeita com quem ama. (e meu lado dramático e que não acredita no amor quando está de tpm não gostou disso).

Minha nota para a versão italiana é 5 xícaras do melhor chocolate quente que existe e para a versão espanhola são 4 xícaras de café e só porque o ator é de fazer qualquer menina suspirar (mas ainda prefiro o italiano).

Eu sei que não faço uma análise tão técnica de filme e tão boa quanto a do Ph, mas estamos falando de um filme para mulheres. Um filme para tocar o coração e chorar e o importante é que isso ele consegue, qualquer uma das versões e é mais do que indicado amigas!

 

Tri.metra.[mgt] 010

—–

E agora para aproveitar que amanhã é dia 24 de abril, quando contei para a editora planeta ( que publica os livros do Moccia no Brasil) sobre o post diferente eles me contaram algo bem interessante que achei super válido contar a vocês

Na Espanha, todo dia 24 de abril é comemorado o dia de São Jorge e é uma tradição a troca de livros e rosas. É o momento mais esperado pelos espanhóis e o mercado editorial por lá, pois se vendem muitos livros. O Moccia sempre participa com filas gigantescas.

Ps: e já que amanhã é dia 24 de abril, eu aceito rosas e livros <3 

Confira alguns teaser de outros livros do autor:

[youtube id=”KGTr0wBVknM” width=”600″ height=”350″]

[youtube id=”pvQZZVbTKd4″ width=”600″ height=”350″]

Captura de Tela 2017-06-29 às 10.53.35