[TrolandoD20em20] Ensaio sobre como temperar uma aventura pronta

“A desobediência é uma virtude necessária à criatividade.” – – Raul Seixas

Nunca gostei de aventuras prontas. Em geral faço cenas específicas, infiltração e armadilhas quando tem ladino, muita porrada se tem guerreiro, ou fantasmas inquietos se no grupo de vampiro tiver um Giovanni. Aventuras prontas não possuem essa especificidade, por isso, foram descartadas no início da minha carreira. Fui um tolo. A falta de especificidade é compensada com criatividade, NPC’s bem feitos e uma grande economia no trabalho. O problema é que nem sempre é fácil utilizar aventuras prontas, seguem algumas dicas advindas das minhas tentativas frustradas.

figura1-lugares-misteriosos

Lugares misteriosos, eles não admitem, mas é um livro de aventuras prontas para o novo mundo das trevas.

Quase toda aventura pronta tem um trecho onde os autores sugerem ler em voz alta. É UMA ARMADILHA! Não façam isso! O português rebuscado é fácil de entender para quem está lendo, não é o caso dos jogadores. O grupo em geral está disperso, eles querem fazer brincadeiras, estão empolgados para brigar ou realizar suas ações, quase sempre perdem o interesse quando o mestre começa a ler. A solução é descrever o que você lembra, mestre de RPG tem que olhar nos olhos. A falta de detalhes pode ser superada usando elementos do ambiente: “Um dinossauro do tamanho daquele prédio ali fora”, ou analogia a filmes e quadrinhos: “Vocês escutam uma voz poderosa tipo a de Smaug”.

figura2-cidadela-sem-sol

A cidadela sem sol, aventura clássica de D&D.

O segundo erro é confiar demais no livro, descobri que aventura pronta é só uma fonte de ideias e informações úteis, como fichas e mapas. Nada mudou. Pegue o livro, absorva a história e faça as mesmas anotações de uma aventura normal. Acredite, mesmo que o autor tenha pensado em várias opções diferentes, os jogadores sempre inventam mais. É impossível para o livro improvisar, mas é possível para você narrador, se confiar em si mesmo. (Huahuahua que clichê)

E o último comentário. Não se prenda à aventura pronta, pegue aqueles NPC’s importantes, os mapas e fichas que dão um terrível trabalho pra fazer e enfie as ideias da sua campanha no meio. ‘Tá pronto, uma aventura totalmente nova no seu gosto. Ultimamente isso está funcionando muito bem comigo. Tem várias vantagens, primeiro porque a aventura pronta explora o cenário como ele é, passa pela aprovação dos autores. Segundo que traz mais riqueza às ideias, sua história original tinha 5 NPC’s e uma torre. Misturando com uma aventura pronta se tornam 10 NPC’s, duas opções de masmorra e sei lá mais o quê. A última vantagem é que se alguém reclamar, você sempre pode dizer: “Sinto muito, estou apenas seguindo a história oficial do cenário, aqui ó – mostra o livro”. (Riso irônico)

figura3-so-aventuras

Só aventuras, ótimas aventuras no cenário de tormenta

Recomendo muito o uso de aventuras prontas, enriquece suas histórias, economiza tempo, explora as peculiaridades do cenário e podem ser usadas para visitar sistemas e mundos novos. A maneira mais prática de aprender é seguir os passos de quem já trilhou esses caminhos. Até mais e bons dados!

Fontes

http://www.dragaobanguela.com.br/2011/01/usando-aventuras-prontas.html

Share:
0 comments so far.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Anna Schermak

Anna Schermak

26 anos, Curitibana, Formada em Marketing. Criadora do Pausa Para um Café e Social Media na maior parte do tempo. Apaixonada por cachorros, cafés e bons livros.

PESQUISE

PUBLICIDADE

DICA DE CURSO

COLUNAS

Submarino

Últimos Vídeos