É apenas uma frase, mas a gente já ouviu bastante nos últimos dias, 2016 veio trazendo consigo um término atrás do outro, parece que acreditar no amor verdadeiro está mais difícil que conseguir que o cabeleireiro corte só as pontinhas do seu cabelo como você pediu.

Mas eu sou teimosa. Mesmo sendo caprica de carteirinha, se existe algo em que eu acredito é no amor.  Acho muito falho colocar todas as nossas esperanças de um amor perfeito em pessoas que nem conhecemos. Escrever isso parece ainda mais absurdo que todas as nossas crenças no amor possam ser jogadas no lixo quando uma casal que idealizamos se separa.

Me intriga essas ideias de amor tão padronizadas, empacotadas e vendidas no varejo.

Se separou… não é amor.
Se não andar de mão dadas… não é amor.
Se não tiver ciúmes… não ama.
Se não faz declaração de amor com rosa no chão e faixa na estrada… não é amor.  ONDE JÁ SE VIU UM AMOR QUE NÃO DURA PRA SEMPRE?

Eu provavelmente sinto o amor de forma completamente diferente de você, você provavelmente sente o amor de forma diferente das pessoas que estão em um raio de 10 metros de você.

Eu posso apostar com você uma casquinha de flocos que o amor da nossa vida sente e vive o amor de uma forma diferente da nossa.

Então por qual motivo usamos o amor dos outros para medir os nossos? Choro quando vejo pessoas infelizes em relacionamentos por não ser igual ou parecido com o de ciclano ou fulano. Já reparou como a vida é curta demais para comparar sentimentos?

Eu acredito no amor toda vez que minha mãe guarda o lixo no bolso pra não jogar no meio da rua, eu acredito no amor quando meu irmão não compra a paçoca (que ele tanto ama) pra comprar um petisco pro animal de estimação dele. Eu acredito no amor quando lembro do meu namorado da adolescência, eu acredito no amor toda vez que falo com a minha afilhada por skype. Eu acredito no amor toda vez que vejo meus avós casados a mais de 50 anos, sentirem ciúmes um do outro. Eu acredito no amor quando minha tia que ama com uma pessoa 10 anos mais novo com ela não quer casar na igreja ou no papel. Eu acredito no amor quando minha mãe viúva fala do meu pai e como foi o dia do casamento dela, vestida de noiva e na igreja.

Eu acredito no amor toda vez que vejo que ele muda.

Mas como somos diferentes, você tem total liberdade para dizer que não acredita nele. Mas sabe é como é o ditado: “no creo en las brujas pero que las hay las hay”