Menu
Literatura Nacional

Continuação de O Iluminado em setembro nas livrarias

Só existe duas coisas que não me deixaram dormir a noite, uma delas foi um monte de pesadelos que tive após assistir Laranja Mecânica, a outra foi ter lido O Iluminado quando tinha 16 anos… Eu realmente não podia ler esse livro a noite.

Então, eis que estava no facebook e noto essa notícia divulgada pelo Blog Chico Rei: O garotinho que que cresceu em uma família conturbada agora terá uma nova aventura em um novo livro feito pelo “rei” do terror.

 

O livro intitulado Dr. Sleep estará nas livrarias em setembro de 2013 (esse ano), ainda sem previsão de editora brasileira, mas torcemos para que a SUMA de Letras traga o livro par ao Brasil igual trouxe Sob a Redoma.

O livro será uma continuação de O Iluminado, publicado em 1977. Então para já ir sentindo o gostinho do que vem por ai, confira o trecho do primeiro capítulo que o autor leu em uma visita a George Mason University e autorizou a divulgação o que fez os fãs vibrarem!

 

No segundo dia de Dezembro do ano de 1977, um dos grandes hotéis resorts do Colorado queimou até o chão.
O Overlook foi declarado com perda total depois de uma investigação do marechal dos bombeiros. O corpo de bombeiros declarou que a causa tinha sido uma caldeira com defeito. O hotel foi fechado para o inverno, quando ocorreu o acidente, e apenas quatro pessoas estavam presentes. Três sobreviveram.
O zelador de inverno, John Torrance foi morto durante uma frustrada e heróica tentativa para soltar a pressão da caldeira de vapor, que havia chegado a um nível desastrosamente elevado, devido a uma válvula de alívio inoperante. Dois dos sobreviventes foram a esposa e filho do zelador. A terceira pessoa foi o chef do Overlook, Richard Halloran, que tinha deixado seu emprego de temporada na Flórida e veio para verificar os Torrances por causa, do que ele chamou de “um palpite forte” que a família estava em apuros.
Os adultos sobreviventes escaparam muito feridos da explosão, somente a criança não se feriu – fisicamente, pelo menos.
Wendy Torrance e seu filho receberam uma quantia em dinheiro, cedida pela empresa proprietária do Overlook. Não era grande coisa, mas o suficiente para sustentá-los bem durante os três anos que ela ficaria sem trabalhar por causa de lesões nas costas. Ela consultou um advogado que lhe disse que se ela estivesse disposta a resistir e jogar duro, ela iria ganhar mais – talvez muito mais – porque a coorporação estava ansiosa por evitar um processo judicial.
Mas ela, assim como a coorporação, só queria deixar o inverno desastroso no Colorado para trás. Ela iria se recuperar, ela disse, e o fez, apesar dos seus ferimentos nas costas terem a atormentado até o fim de sua vida. Vértebras despedaçadas e costelas quebradas podem ser curadas, mas nunca param de doer.
Winnifred e Daniel Torrance viveram em Maryland por um tempo e depois se mudaram para Tampa. Às vezes, Dick Halloran, aquele dos palpites poderosos, vinha de Key West para conversar com eles – para visitar o jovem Danny especialmente. Eles tinham uma certa ligação.
Em uma manhã, no início de março de 1981, Wendy ligou para Dick e perguntou se ele poderia vir. Danny, disse ela, havia acordado no meio da noite e disse-lhe para não entrar no banheiro. Depois disso, ele se recusou a falar qualquer coisa.
Ele acordou com vontade de fazer xixi e um vento forte soprava lá fora. Estava quente – na Flórida era quase sempre quente – mas ele não gostava do som e supunha que nunca iria gostar. Ele lembrava o Overlook, onde o defeito da caldeira tinha sido o mínimo dos perigos.
Ele e sua mãe moravam em um cortiço, em um pequeno apartamento no segundo andar. Danny saiu do quartinho, ao lado do de sua mãe e atravessou o corredor. O vento soprava, e as folhas de uma palmeira morta batiam ao lado do edifício. O som era esquelético.
Eles sempre deixavam a porta do banheiro aberta quando ninguém estava usando, porque a fechadura estava quebrada. Agora estava fechada – não porque sua mãe estava lá. Graças as lesões faciais sofridas no Overlook, ela agora roncava – um suave som de “queep, queep” – e ele podia ouvi-lo vindo do quarto.
Bem – ele pensou – ela fechou-a por acidente, é só isso.
Porém, ele agora entendia o que acontecia. Ele era um menino de palpites e intuições poderosas, mas às vezes você tinha que saber. Às vezes, você tinha que ver. Isso era algo que ele havia aprendido no Overlook, em um quarto no segundo andar.
Estendendo um braço que pareceu muito longo, muito elástico e sem osso, ele girou a maçaneta e abriu a porta.
A mulher do quarto 217 estava lá, como ele previu que estaria. Ela estava sentada nua na privada, com as pernas e coxas pálidas e inchadas. Seus seios pendiam como balões vazios. O cabelo abaixo do seu estômago era cinza. Seus olhos também eram cinzentos, como espelhos de aço.
Ela o viu e seus lábios se esticaram em um sorriso.
Feche os olhos – Dick Halloran disse uma vez – Se você vir alguma coisa ruim, feche os olhos e diga a si mesmo que não há nada ali e quando abri-los novamente, aquilo terá ido embora. Mas não havia funcionado no quarto 217 quando ele tinha cinco anos e não iria funcionar agora quando ele tinha oito. Ele sabia disso. Ele podia sentir o cheiro dela, ela estava apodrecendo.
A mulher – ele sabia o nome dela, era a Sra. Massey – levantou-se sobre os pés roxos estendendo as mãos para ele. A carne em seus braços pendiam, quase escorrendo. Ela estava sorrindo do jeito que se faz quando você vê um velho amigo, ou talvez, algo bom para comer.
Com uma expressão que poderia parecer calma, Danny fechou a porta suavemente e deu um passo para trás. Ele observou quando a maçaneta virou para a direita, esquerda, direita de novo e então parou. Ele tinha 8 anos agora e era capaz de, pelo menos, ter algum pensamento racional em meio ao horror – em parte porque em algum lugar profundo de sua mente, ele estava esperando por isso, embora pensasse que seria Horace Derwent que acabaria por aparecer, ou talvez o barman, que o pai havia chamado de Lloyd. Ele supôs que deveria saber que seria a Sra. Massey, mesmo antes de finalmente acontecer.
Porque, de todas as coisas mortas-vivas no Overlook, ela tinha sido a pior.

About Author

Criadora do @pausaparaumcafe, social media, formada em marketing, rata de biblioteca, intolerante à lactose e a pessoas de mau humor.

10 Comments

  • Aymée Meira
    7 de fevereiro de 2013 at 00:13

    preciso desesperadamente desse livro.
    contando os dias, horas e minutos.
    pois tem tudo para ser O LIVRO.
    SK ?

    Reply
  • Monica Silva
    7 de fevereiro de 2013 at 00:32

    Ai que vontade que deu de ler tudinho….. vamos roer as unhas até o lançamento!

    Reply
  • Kelry Caroline
    7 de fevereiro de 2013 at 05:33

    To louca pro lançamento.

    Reply
  • Talita Silva
    7 de fevereiro de 2013 at 13:35

    Eu morro de medo de filmes de terror, não pelas coisas que se passa na tela, mas pelo fato de que toda hora eu vou me assustar, a cada segundo eu sinto um frio na espinha ai se torna impossível assistir qualquer coisa assim haha Ainda não li nada do Stephen King, morro de vontade, mas o receio é tão grande que tenho vontade de me bater.

    Reply
  • Ester Ribeiro
    12 de fevereiro de 2013 at 15:34

    Meta de vida: deixar de ser tão medrosa e ler algum livro de Stephen King.

    Reply
  • […] quando eu divulguei o primeiro capítulo da sequencia de O Iluminado de Stephen King? Então…  agora tenho outra super novidade aos fãs do rei do terror. A […]

    Reply
  • […] O Rei do Terror tem o dom de me assustar. King consegue me encolher na cama e cobrir a cabeça para não imaginar nem por um segundo algumas cenas de O Iluminado. Não quero nem pensar como vai ser a sua continuação Dr. Sleep. […]

    Reply
  • […] Livro – O Iluminado (leia o primeiro capítulo da continuação aqui) […]

    Reply
  • […] Livro – O Iluminado (leia o primeiro capítulo da continuação aqui) […]

    Reply
  • […] Livro – O Iluminado (leia o primeiro capítulo da continuação aqui) […]

    Reply

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.