O verdadeiro horror do filme Mother

19 de dezembro de 2017

Quando li as críticas de Mother!, de Darren Aronofsky (Réquiem para um Sonho e Cisne Negro), fiquei receosa com o que poderia encontrar. Alguns aplaudiram de pé, já outros pensaram que o filme não passou de uma masturbação mental do diretor, querendo mostrar que sua prepotência é justificada.

 O filme possui, de fato, diversas cenas agoniantes, como é de se esperar de Aronofsky. Mas além da claustrofobia e ansiedade geradas de modo explícito e sem rodeios, não poderia deixar de pontuar o que há de mais assustador no filme: A passividade feminina.

Entendo que esse traço da personagem Verônica, interpretada por Jennifer Lawrence, é proposital. Entendo que é para que nós, expectadores, fiquemos com estômago embrulhados por pensar que ela se anula de todas as formas pelo homem que ama. Pela casa. Pela harmonia em sua rotina. O grande x da questão aqui é que essa passividade vai além da grande tela – como mulher, somos criadas para agir exatamente desta forma: bonecas que só sabem sorrir.

 A socialização feminina na sociedade sempre foi doentia. Quantas vezes ouvi da minha mãe que eu não podia mostrar meu mal humor senão nunca conseguiria namoradinhos? Senão não conseguiria casar (ó céus!). Que impor uma opinião ou contrariar ele – o homem, seja pai, amigo ou marido – estaria me colocando numa posição frágil, porque daria motivos para ser mal vista e mal falada? Mother! retrata essa passividade de uma forma tão realista que dói. Quando a personagem é útil, é reverenciada. Quando finalmente se impõe (não entrarei em detalhes para não dar spoilers), sofre diversos ataques – é chamada de puta, porca, vadia e por aí vai (nada novo sob o sol).

E, por isso, o filme mexeu tanto comigo. Alegorias bíblicas à parte, Mother! cutuca essa ferida nas mulheres que sempre ouviram que precisavam atingir uma perfeição insuportável, inalcançável, doente e deletéria.

Aproveite para nos seguir nas redes sociais!

Facebook Instagram Twitter Tumblr Google +  ? Pinterest Youtube  ?Blogvin Flickr

Join the Conversation

  1. eu tô é doida pra assistir esse filmeeeeee meudeus

  2. Anderson Wallace Ribeiro says:

    Passividade dela diante da prepotência exacerbada dele.
    Esse negócio de ser Deus sobe a cabeça dos homens.

  3. Na verdade essa passividade é intensificada justamente pq a personagem representa a mãe natureza, o planeta terra. O filme é sobre a relação do ser humano com a natureza, e usa a metáfora bíblica para retratar a forma como Deus subjuga sua maior criação ao ser humano, que faz dela o que quer e ignora todos os avisos que ela dá.

  4. Oi Anastácia!
    Assisti ao filme no recesso de Natal/Ano Novo e confesso que estou fazendo muitas pesquisas acerca das interpretações do pessoal pela internet pra saber como lidaram com o tanto de informações que são entregues pelo diretor.
    Mother! mexeu comigo de forma extrema! É tão complexo de uma maneira que cada um que assistiu viu tudo aquilo de uma maneira diferente.
    Não sei pra você, mas foi um dos melhores filmes do ano pra mim.
    Abraços!

  5. Ainda não vi, mas verei com certeza. Essa questão da passividade feminina mexe muito comigo. Ansiosa pra ver >.<

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Recipe Rating




Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Like
Close
Copyright © 2021 Pausa Para um Café
Made with by Loft.Ocean. All rights reserved.
Close
Sair da versão mobile