Menu
Literatura

Redemoinho em dia quente, Jarid Arraes

Uma das coisas mais incríveis que acontecem quando iniciamos uma leitura é quando um livro dialoga com você de forma natural, já logo na primeira página ou conto, quando você se sente representada, quando cada personagem, cenário e expressão dita é familiar, trazendo uma sensação de pertencimento, sabe?! Foi assim que me senti ao ler “Redemoinho em dia quente” da Jarid Arraes.

A autora é bem conhecida por seus cordéis e poemas e uma voz bastante significativa na literatura contemporânea para mulheres negras e nordestinas. Ela é de Juazeiro do Norte, região do Cariri aqui no Ceará, meu estado amado e por todos esses motivos seu nome sempre aparecia na minha lista de leituras. E essa nossa estreia (dela no gênero conto e minha nos seus escritos) foi mais prazerosa do que pude imaginar.

Com o sertão cearense, um “sertão urbanizado”, como pano de fundo que ela conta nesse livro histórias sobre mulheres de todas as idades e formas, com uma vivência e uma linguagem tão próxima da minha que foi como se já tivesse ouvido ou vivido cada história.

Foi como se minha avó tivesse contando pra mim um história escandalosa e engraçada de uma “senhora católica que encontrou uma sacola com pílulas suspeitas e decidiu experimentar dizendo que elas a levava até o padre Cícero”. Foi como se eu ouvisse minha tia contar pra minha mãe “que a filha da coitada da lavadeira amiga dela, se envolveu com homem casado”. Foi como se eu visse minha vizinha tentar começar a trabalhar como “mototáxi enfrentando todo tipo de preconceito por ser uma ‘profissão de homem’”. Foi como se eu e minhas irmãs estivéssemos “arrumando a casa ao som de Mastruz com Leite” ou qualquer outra banda de ‘forró das antigas’. Foi como se a minha mãe comentasse em casa que “o marido horroroso da vizinha era violento com ela e não gostava até mesmo quando ela ia pra novena”. Foi como se eu me visse “reclamando do calor torturante e tentando me entender na minha própria loucura”.

Foi como se eu, Jarid e todas essa mulheres nos conhecêssemos, e por isso que essa foi mais que uma leitura, foi um encontro, um compartilhamento de memórias, de traumas e alegrias. Um abraço em forma de palavras. 

E esse livro também me fez pensar bastante na questão da representatividade e na importância de romper com os estereótipos. Fazendo um paralelo rápido aqui com o livro da Chimamanda Ngozi Adichie, “O perigo de uma história única” (Companhia das Letras, 2019), que defende a importantância de se quebrar paradigmas, de contradizer estereótipos e que vejamos povos, coisas, lugares por uma outra ótica. E “Redemoinho em dia quente” propõe essa pluralidade, pois ao mesmo tempo que o regionalismo forte e as características próprias do nordeste faz o livro ser essa beleza que é, a autora busca questionar e contrapor muitas ideias que rotulam a mulher nordestina. 

Maria Valéria Rezende na orelha do livro fala que “O leitor se surpreenderá com a originalidade e a fluência da voz que aqui, nestes contos, enfrenta e revela o emaranhado de contradições que cada um de nós carrega.” E não há descrição mais apropriada, pois Jarid Arraes sabe exatamente o quê e como contar cada história, cada palavra foi escrita com propriedade e sensibilidade que me deixou e vai deixar qualquer leitor encantado.

Recomendo!!!!

Onde Comprar: Amazon – Amazon Kindle – Submarino

ISBN-13: 9788556520890 | ISBN-10: 8556520898 | Ano: 2019 | Páginas: 130 | Editora: Alfaguara

Jarid Arraes: Nascida em Juazeiro do Norte, na região do Cariri (CE), em 12 de Fevereiro de 1991, Jarid Arraes é escritora, cordelista, poeta e autora dos livros “Redemoinho em dia quente”, “Um buraco com meu nome“, “As Lendas de Dandara” e “Heroínas Negras Brasileiras“. Curadora do selo literário Ferina, atualmente vive em São Paulo (SP), onde criou o Clube da Escrita Para Mulheres. Até o momento, tem mais de 70 títulos publicados em Literatura de Cordel.

{ Esse livro foi enviado pela editora Alfaguara para resenha no blog. Em compromisso com o leitor, sempre informamos toda forma de publicidade realizada pelo blog 

Aproveite para nos seguir nas redes sociais!

About Author

Sou Nayane Moura, mas podem me chamar de Nay. Tenho 25 anos. Nascida e criada na Terra da Luz. Minha casa é meu Reino. Não há nada melhor que o aconchego do lar. Mas adoraria conhecer o mundo e suas maravilhas. Adoro seriados e filmes. Livros são minha paixão e as melhores companhias.

No Comments

    Leave a Reply

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.