Remontagem de peça de Gianfrancesco Guarnieri discute questões raciais em apresentaçõesno Guairinha - Seu site sobre Literatura e RPG

Vídeos Segunda, Quarta e Sexta.   SE INSCREVA

Search

Remontagem de peça de Gianfrancesco Guarnieri discute questões raciais em apresentações
no Guairinha

Um grito (preto) parado no ar leva aos palcos texto clássico de Gianfrancesco Guarnieri que furou
a censura e é considerado um dos marcos do teatro brasileiro.

No final de abril, Curitiba terá em sua programação uma das obras mais importantes da dramaturgia brasileira: Um grito (preto) parado no ar, que remonta o texto clássico de Gianfranco Guarnieri, encenado na capital paranaense em 1973. Marco do teatro nacional, a peça de Guarnieri foi um importante instrumento de luta contra a ditadura militar, que governou o Brasil entre 1964 e 1985, e, apesar do seu tom contestatório, não foi vetada pela censura, em parte pela linguagem que o autor construiu.
A obra conta a história de uma trupe teatral às raias de estrear sua peça mas que se vê impedida por inúmeros entraves burocráticos, físicos e emocionais. Flutuando em uma névoa de incerteza, o grupo precisa se defrontar com a realidade e também os seus próprios fantasmas. O texto de Guarnieri esmiúça as muitas interpretações do que é ser artista e das relações entre arte e realidade.
Por isso, mesmo passados cinquenta anos, Um grito parado no ar é uma peça forte e atual, que expande ainda mais discussões que Guarnieri começou na década de 1970.
Espírito combativo
A montagem, que tem produção da Prosa Nova EduCultTech e direção de Loara Gonçalves, terá o mesmo espírito combativo que marcou o espetáculo desde a sua estreia, cinco décadas atrás, atualizando a temática paro as demandas sociais atuais, como a precarização do trabalho em certas categorias, e também para a discussão racial. E, por isso, da inclusão do adjetivo “preto” no título.
Portanto, ao colocar o adjetivo “preto” no título, evidencia-se preocupação e a necessidade de dar visibilidade e protagonismo a uma parcela da população que é marginalizada, destituída dos seus direitos. Segundo Loara Gonçalves, diretora do espetáculo, o teatro é um espaço de manifestação, de busca pelo grito, onde os silenciados podem contar as suas histórias.
“Vivemos em um sistema que massacra, que está tolhendo sonhos”, explica. “Quando a gente fala de ‘um grito preto’, está falando das mazelas e das denúncias que são fundamentais. A gente ainda vive em uma sociedade racista, que nos boicota a ponto de recebermos menos. A população carcerária é, em sua maioria, preta. A gente percebe que nossos lugares são sempre impostos, por isso, as nossas urgências são outras”.

Ingressos: https://bit.ly/IngressosUGPPNA
Ficha técnica
Direção
: Loara Gonçalves
Elenco: Maicon José Gonçalves de Morais; Monica Margarido; Vanessa Marques; Murilo Ique;
Cleo Cavalcantty; Taciane Vieira.
Equipe: Luiz Andrioli – Diretor de produção; Marina Rodrigues Pires Padilha – Maquiadora; Gui
Almeida – Cenógrafo e figurinista; Katia Drumond – Coreógrafa; Jamille Reddin – Produtora;
Luana Mello – Designer; Salve Samuca – Sonoplasta.
Realização: Prosa Nova EduCultTech | prosanova.com.br prosanova.com.br
Página do espetáculo com mais informações: prosanova.com.br/umgritoparadonoar
Apoio: Centro Cultural Teatro Guaíra
Incentivo: Ebanx e Serra Verde Express
Projeto realizado com recursos do Programa de Apoio de Incentivo à Cultura – Fundação Cultural
de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba.

5 LIVROS PARA FICAR OBCECADO 5 LIVROS QUE TODO CREATOR DEVERIA LER 10 livros para ler antes do vestibular Halloween: 5 livros de terror na literatura 5 livros para começar a ler clássicos