Menu
Literatura

[Resenha] Fantasmas Não Andam de Montanha Russa de Adalberto Souza | Buqui

Sinopse: Adalberto Souza é um colecionador de silêncios. Sua poesia é navio atravessando um mar de ausências. A leitura de Fantasmas não andam de Montanha-Russa deixa um buraco enorme no peito. É solidão aumentada num lirismo imenso que faz eco. Adalberto Souza é um poeta que desconta as tragédias do cotidiano fazendo versos.

A difícil arte de esquecer
Seja o que for
Seja lá o que for…

Há algum tempo eu recebi o livro do autor Adalberto e por ser um livro do gênero que não estou acostumada a ler mas que estava cheia de vontade de conhecer eu precisei ler mais de uma vez para poder vir aqui falar sobre ele com vocês sem ficar preocupada com o que falar ou o que poderia deixar de dizer  sobre a obra.

O livro de poesias de Adalberto tem um título incrível e ele foi um dos principais motivos pelo qual eu disse que sim, gostaria muito de ler esse livro.

Comentando os sentimentos as poesias seguem muitos gostos diferentes mas seguem um padrão muito característico do autor depois que você se acostuma com a escrita e com os sentimentos trabalhados na obra.

Achas em mim
Apenas meu desespero
Em te reparar dos meus erros…

Deixas em mim
Marcas
Que depois
Não
Podes apagar…

A poesia é sempre muito cheia de sentimento, mas aqui o autor consegue nos cativar, nos levar além. Ele leva o seu sentimento a se transformar no nosso. Cada item declamado é como se nosso coração cantasse junto. E o sentimento assim escorre em um trabalho muito bonito feito  na edição desse livro.

Se você é um amante de poesia, vai se encontrar em cada página de Fantasmas Não Andam de Montanha Russa de Adalberto Souza.

Edição: 1 | Editora: Buqui | ISBN: 9788583380474 | Ano: 2014 | Páginas: 116

Nota: 4/5

Comprar: Editora

Aproveite para nos seguir nas redes sociais!
Facebook Instagram Twitter Tumblr Google +

post

About Author

Criadora do @pausaparaumcafe, social media, formada em marketing, rata de biblioteca, intolerante à lactose e a pessoas de mau humor.

3 Comments

  • Raquel Moritz
    7 de julho de 2014 at 13:58

    Achei a capa linda, pra início de história. E quando as poesias fazem nosso coração recitar junto, é sucesso. Linda dica 🙂

    ?

    Reply
    • Anna Schermak
      7 de julho de 2014 at 17:29

      É bom ler poesias assim de vez em quanto né?
      E eu parei aqui pra pensar, falo da minha falta de contato com poesias, MAS ANNA! DIVINA COMÉDIA É O QUE? HAHAHAHAHAHAHAHAHH ?

      Reply
  • G Lopes
    17 de julho de 2014 at 22:16

    Poxa queria esse livro e só encontrei ele em formato digital 🙁

    Reply

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.