Menu
Literatura

[Resenha] Na Companhia das Estrelas de Peter Heller | @Novo_Conceito

Em um mundo devastado pela doença, Hig conseguiu escapar à gripe que matou todo mundo que ele conhecia. Sua esposa e seus amigos estão mortos, e ele sobrevive no hangar de um pequeno aeroporto abandonado com seu cachorro, Jasper, e um único vizinho, que odeia a humanidade, ou o que restou dela. Mas Hig não perde as esperanças. Enquanto sobrevoa a cidade em um avião dos anos 1950, ele sonha com a vida que poderia ter vivido não fosse pela fatalidade que dizimou todos que amava. Hig é um guerreiro sonhador. E tem uma imensa vontade de gente, apesar da desilusão que se abateu sobre ele. Por isso é capaz de arriscar todo seu futuro quando, um dia, o rádio de seu avião capta uma mensagem…

O livro de hoje fala de estrelinhas, de perdas, cães lindos que são nossos companheiros, verdades e o fim de tudo. Na Companhia das Estrelas de Peter Heller, da Editora Novo Conceito é isso tudo e muito mais, principalmente mais lagriminhas…

O livro se passa durante o fim do mundo. NÃO! Espere, não é mais um livro de apocalipse zumbi. O fim do mundo aqui se deu de uma maneira muito mais verdadeira e fácil de acreditar: uma gripe transmutada (tipo essas gripes aviárias que nos atormentam todos os anos) deu cabo de 99,999999999999…999% da população mundial. E dos poucos que sobreviveram, muitas contraíram uma doença no sangue quase tão ruim quanto a gripe.

Mas um homem e seu cãozinho sobreviveram a esse inferno todo. Hig, o homem, e Jasper, o cão. Hig, ou Big Hig, nos conta como é viver em meio ao nada, dentro do seu perímetro seguro, com o lunático Bangley (outro senhor durão que sobreviveu à tudo). Enquanto Hig é poético, bondoso, e saudosista, Bangley nos parece livre de sentimentos e ressentimentos, movido apenas pela sobrevivência. Mas, sobreviver pra que quando tudo está perdido?

Eles vivem num aeroporto, e Hig se prende a, basicamente, três coisas: seu passado, Jasper e Fera, seu avião da década de 1950. Hig vai nos contando cada dia da sua vida, 9 anos após o grande surto que dizimou milhões pelo mundo todo, com um ritmo intenso, nos passando toda a importância que ele ainda dá ao Fera e a Jasper, e às pequenas coisas, como uma garrafa de Coca Cola já meio sem gás, um bom blues, trutas, poemas.

Frases curtas. Curtíssimas. Pequenas revelações. Grande profundidade. Essa é a forma da narrativa. Desesperada? Convulsiva? Me parecem mais fragmentos de pensamento de uma mente exausta pela luta diária para sobreviver. Acredite. Logo você se acostuma.

Tem algum livro que você leu, que tivesse um cachorro e que você não se apaixonasse por ele? Bem, eu não consigo, e logo na primeira citação a Jasper eu me apeguei nele tanto quanto Hig é apegado. Eu conseguia sentir exatamente o que Big Hig sentia a cada olhar do senil cachorrinho, e claro, fui às lágrimas por ele numa certa passagem.

A história é completamente imprevisível. E você consegue se transpor para aquele mundo terrível, sozinho, onde os que sobraram ficam remoendo o seu passado, como as coisas seriam se aquela pessoa ainda estivesse viva. Como a natureza vai voltando ao seu ritmo natural após a quase extinção da espécie human

É um livro lindo para você refletir. É a narrativa poetizada de um sobrevivente. Isso e nada mais (como se isso fosse pouco). Enfim, chorei, ri, fiquei tensa e aliviada com Big Hig a cada nova página.

A edição da Novo Conceito, como sempre, é bem acabada. A capa tem brilhos como se fossem estrelinhas.

Com isso, não consigo dar menos do que 5 xícaras de chá amargo (entendedores entenderão) para Na Companhia das Estrelas, de Peter Heller.

Book trailer:

Gostou? Então compre o seu aqui por aqui

Ou na versão digital por aqui

 

About Author

Dani. Um ser estranho e recluso, no auge dos seus 23 anos, vivendo na Rivendell catarinense (só que mais quente). É engenheira de formação (só falta o diploma, ok?), leitora compulsiva e colecionadora de hqs. Ama fantasia, ficção científica, literatura técnica e abraços quentinhos.

4 Comments

  • Paola
    10 de junho de 2013 at 16:59

    Dani, que coisa mais amadinha tua resenha. Eu nunca tinha ouvido falar desse livro da NC, até li duas vezes o nome da editora, achei bem a cara da Cia das Letras.
    Mas voltando, tu mencionou sobre a narrativa ser realizada em frases curtas e me peguei pensando que não sei como eu reagiria a uma leitura assim. Mas aí lembro que tem um cachorrinho. E ele tem o nome do meu vampiro favorito (Jasper Hale<3) e aí decido que esse livro pre-ci-sa vir parar nas minhas mãos *-*
    Beijocas, parabéns pela resenha direta e bem escrita.
    @pirulitolimao

    Reply
    • Dani Galadriel
      10 de junho de 2013 at 23:54

      Que bom que você gostou, Paola! O livro é lindo lindo lindo em todos os sentidos!

      E o Jasper… <3 Nha… é fofo.

      Reply
  • aliceennes
    23 de agosto de 2013 at 23:28

    oi, querida
    você podia colaborar com aqueles poucos “intrometidos” que aparecem por aqui vindo atrás de uma avaliação do livro (via google) e sinalizar se gostou ou não de uma forma clara. Isso em vez de comparar “só pra quem entende ” a 5 xícaras de chá amargo…

    Reply
    • Anna Schermak
      24 de agosto de 2013 at 01:04

      Olá Alice, nós mudamos esse ponto nas novas resenhas, pode conferir nos novos posts, eles estão com notas mais claras 😉

      Reply

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.