Menu
Literatura / Literatura Nacional

[Resenha] Necrópolis – Livro 1 – de Douglas MCT | @gutenberg_ed

Edição: 1
Editora: Gutenberg
ISBN: 9788565383684
Ano: 2012
Páginas: 296

Ponto Frio R$31,40

Sinopse: Necrópolis, série de Douglas MCT, apresenta ao leitor as aventuras fantásticas de Verne Vípero, um rapaz cético que confronta sua descrença ao descobrir a possibilidade de salvar e resgatar a alma do irmão. Neste primeiro volume, Verne e seus aliados – um monge renegado, um ladrão velocista, uma mercenária deslumbrante e um homem-pássaro suspeito – rumarão até Necrópolis e conhecerão um novo mundo e novas criaturas, em uma aventura emocionante e assustadora. Com personagens instigantes e uma história fantástica recheada de emoções e terror, o leitor se sentirá na companhia de Verne, adentrando e desbravando um mundo fantástico cheio de batalhas e de um perigo sobrenatural.

——————–

Eu sempre tive vontade de ler Necrópolis. Sempre tive vontade de saber mais sobre a história e o universo criado pelo Douglas, mas antes de ler eu não fazia ideia de o livro mexeria tanto comigo. Necrópolis é um livro para irmãos e aqueles que tem algo em comum,  vão sentir toda a complexidade da história, do universo e de toda a tensão durante a obra.

Necrópolis - Douglas MCT (8)

Necrópolis - Douglas MCT (7)

Necrópolis - Douglas MCT (9)

Meu irmão e eu temos 5 anos de diferença, eu sou a mais velha e fui eu quem escolheu o nome dele. Lucas Gustavo. Quando meu irmão nasceu minha mãe descobriu que ele deveria ser gêmeo, ela tinha duas bolsas, mas só um bebê. Um dos fetos não se desenvolveu e meu irmão acabou vindo sozinho para viver nesse mundinho. Só que… eu e meu irmão somos tão parecidos que aqui em casa nós brincamos que o “gêmeo” dele não nasceu pois eu já estava na terra. E nós devemos ser gêmeos de anos diferentes.
Há 12 anos nós perdemos o meu pai em um acidente de carro logo após o seu aniversário. Meu irmão era bem pequeno e desde aquele dia nós nunca mais nos desgrudamos. No dia em que enterramos nosso pai eu tinha apenas 9 anos de idade e tive que crescer na marra e cuidar do meu irmão pois minha mãe estava muito abalada. O Lucas, após enterrar meu pai olhou bem nos meus olhos quando ficamos sozinhos e disse: “Anna, agora acorda o pai e vamos embora”.  Aquelas palavras me marcaram de um jeito impossível de esquecer e naquele dia eu jurei que nada, nunca iria machucar meu irmão como o jeito que ele estava machucado novamente. Eu já apanhei e já defendi meu irmão até mesmo da minha mãe. Ele é meu companheiro para tudo e não me imagino sem ele.

Eu contei isso pelo simples fato que quando eu comecei a leitura de Necrópolis e me deparei com dois irmãos que se perdem… Eu pude sentir a dor do Verne em c-a-d-a página. Eu chorei, sim… eu chorei. E o livro de Douglas MCT entrou para o meu coração.

O livro merece respeito pelo fato que não consegue apenas ser bom para mim que passei por essa história, mas consegue tocar o coração de qualquer leitor.  Seja pela história ou pela complexidade do universo desenvolvido pelo autor em cada página. Do mapa até as explicações dos “mentores” que o personagem principal encontra durante a história.

Necrópolis - Douglas MCT (6)

Necrópolis - Douglas MCT (5)

Necrópolis - Douglas MCT (4)

O livro do Douglas merecia destaque, ele é bem escrito e os coadjuvantes da história são incríveis! Cada um tem a sua forma e personalidade aumentando a riqueza das descrições e passagens, o mundo e universo apesar de completo e conter tudo o que você já ouviu falar no mundo da fantasia é muito louco! É uma viagem e isso é-m-u-i-t-o-b-o-m!  O tema é original e trás uma abordagem sobre a morte conhecida, mas não massante e batida. É aceitável, fantástico e te da esperanças.

Meu único problema com o livro foram com alguns flashbacks (o do início do livro Ok e é muito Ok!) mas alguns me confundiram, me fizeram torcer o nariz pela confusão na narrativa (assim como alguns pontos de vistas contrários que aparecem).

Em suma, o livro de Douglas é desenvolvido para ser uma grande história. As descrições dos primeiros acontecimentos, como o exorcismo me fez praticamente gritar: PORRA É ASSIM QUE SE DESCREVE UM EXORCISMO! Douglas ganhou um lugar cativo em minha estante, acompanharei as aventuras e ficarei atenta aos seus próximos lançamentos. Sua obra é aquelas que nos fazem ter orgulho da literatura nacional.

Quanto a edição, queria mandar um beijo para a editora Guttenberg. Que edição linda. Tem mapa, glosário e tudo que tem direito! Gente, quando eu publicar um livro eu quero vocês <3 #ficadica

Necrópolis - Douglas MCT (2)

Necrópolis - Douglas MCT (1)

Necrópolis - Douglas MCT (10)

About Author

Criadora do @pausaparaumcafe, social media, formada em marketing, rata de biblioteca, intolerante à lactose e a pessoas de mau humor.

1 Comment

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.