Menu
Literatura

[Resenha] O Último Tiro de Lee Child | @BertrandBrasil

Adaptações para o cinema sempre rendem novas edições de livros.

Aconteceu com o Hobbit, por que não aconteceria com qualquer outro livro?

Tom Cruise estrela o filme que estreia ano que vem no cinema, Lee Child tem seu primeiro livro adaptado e a Bertrand aproveita uma ótima chance de mostrar um bom livro ao seu público.

Não encontrei nenhuma resenha falando horrores do livro, por isso comecei a ler. O livro tem a dinâmica que eu gosto e um dos meus estilos preferidos, uma boa ação com um estilo que te instiga a terminar a leitura cada vez mais rápido.

Não conhecia Lee Child antes desse livro e agora ele vai para a lista de autores que eu devo conhecer mais. Apesar de ter me decepcionado com James Peterson e ter prometido que ficaria longe do gênero policial/suspense por um tempo o livro veio para provar que não consigo largar o meu gênero preferido e que mesmo um livro que é apenas uma jogada de marketing por causa de todo burburinho feito pelo filme pode me surpreender!

Um livro que todos podem ler, principalmente os fãs do gênero, esse é um nome que deve estar na sua estante. Não é atoa que o cara teve seu livro adaptado e está chegando a lista de mais vendidos lá fora. Ele tem qualidade e escreve de uma forma fácil e certeira para pegar o leitor.

Com muita ação o livro é um sucesso e podem colocar na lista dos mais vendidos, gosto muito mais desse título do que da primeira versão do livro (Um Tiro), mas como nem tudo é um mar de rosas a capa com Tom Cruise me prejudicou na leitura.
Apesar de ter lido a prova sem a capa, toda hora a cara do Tom Cruise e ele correndo vinham a minha mente. Não consegui imaginar meu próprio protagonista sem ele ali para atormentar minha mente.

Estou curiosa agora para saber o que o filme vai aprontar, eles tem uma boa história nas mãos, tomara que a usem com maestria.

Livro merece a sua leitura e ganha 4 xícaras de café quentinho porque li a prova e não posso opinar sobre a diagramação do livro, okay?

O Último Tiro de Lee Child

Sexta-feira, cinco horas da tarde. Um homem sozinho, armado com um rifle, pilota uma van rumo ao norte de uma cidadezinha do interior, que nem chega a ser um subúrbio bem cuidado de Washington DC e fica bem longe de Nova York, Los Angeles ou qualquer grande centro urbano. O Último Tiro, de Lee Child, tem início com a descrição dos passos de um franco-atirador em direção a um massacre iminente: com controle, precisão, tranqüilidade e seis disparos, cinco alvos são atingidos em frente à sede de uma afiliada da NBC. Pânico, notícia e mistério: todas as evidências apontam para James Barr, um veterano da Guerra do Golfo, como o principal suspeito dos crimes. Barr, no entanto, se diz inocente. E sabe que apenas um homem terá coragem e tenacidade para perseguir a verdade: Jack Reacher, apresentado no romance Dinheiro Sujo. Após ser preso dentro da própria casa pela SWAT, Barr é levado à prisão e fica em silêncio até ser interrogado pelo advogado de defesa David Chapman. “Pegaram o homem errado”, diz, antes de exigir a presença do misterioso ex-policial militar Jack Reacher, que é obrigado a interromper seu descanso numa praia de Miami, ao lado de uma belíssima norueguesa, e voltar a se meter em tramas tão sujas e violentas que derrubariam até James Bond, MacGiver e Chuck Norris. Reacher, no entanto, permanece sempre de pé, armado… e bem vestido.

O livro foi lançado anteriormente como: Um Tiro.

Compre online na pre venda por R$ 41,60

 

About Author

Criadora do @pausaparaumcafe, social media, formada em marketing, rata de biblioteca, intolerante à lactose e a pessoas de mau humor.

5 Comments

  • Biia Rodrigues
    27 de dezembro de 2012 at 11:35

    Realmente sempre que um livro é adaptado para o cinema as editoras acabam aproveitando e com isso muitas vezes trazendo coisa boa *-*
    O livro não é do meu gênero preferido, mas eu leria pelo que você falou da historia te instigar a querer descobrir o resto.

    Reply
  • keila larissa
    28 de dezembro de 2012 at 15:04

    nao gosto de livros (nem filmes) de ação com tiros e bla bla bla u.u
    sei la, acho muito’ artificial” em filmes..
    mas em livros como sae de nossa imaginaçao pode aparecer mais real e ser bem mais divertido…
    taí, estou curiosa para saber a sensaçao

    Reply
  • Gladys Freitas
    28 de dezembro de 2012 at 17:48

    Ah eu gosto da escrita do Lee Child!

    Que legal essas reedições, 😉

    Reply
  • Eduardo
    29 de dezembro de 2012 at 19:35

    Parece ser um bom livro, pelo menos a sinopse sugere uma boa história, especialmente por lidar com a questão da inocência de um prisioneiro e da descoberta da verdade.

    Concordo que às vezes as capas ou filmes baseados em livros acabam “atrapalhando” um pouco, fazendo com que o leitor deixe de imaginar seus personagens e acabe sendo influenciado por cenas ou imagens.

    Reply
  • Clara Beatriz
    25 de janeiro de 2013 at 04:36

    Poxa, não gosto de filmes assim, infelizmente!

    Reply

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.