Menu
Literatura Nacional

Seis Passeios Pelos Bosques Da Ficção | Explicação Por Lucas Mesquita

O desafio que Umberto Eco propõe-se a resolver no primeiro texto de seu livro “Seis passeios pelos bosques da ficção” é o de responder como se constitui o processo de interpretação de um texto narrativo. O escritor identifica premissas conclusivas para a implicação última de sua tese: a interpretação é uma relação entre o leitor-modelo e o autor-modelo. Contudo, o que é o leitor-modelo e quem é o autor-modelo? Mais ainda, qual a necessidade de se estabelecer uma relação entre ambos os lados, quando se há apenas o texto, puro e simplesmente, aguardando o leitor ávido a se debruçar sobre suas páginas? Não obstante, alguns outros ainda dirão que o autor estabelece de antemão o sentido do texto e apenas nos é dado o papel, enquanto leitores, de seguir suas pegadas já definidas no bosque.

Como ponto de partida para sua argumentação, Eco destaca o conceito elogiado por Italo Calvino: a rapidez do texto. Em Eco toda narrativa de ficção é conduzida fundamentalmente de forma acelerada. Basta imaginar a multiplicidade de personagens e de acontecimentos desse mundo e ponderar a impossibilidade de dizer tudo sobre ele, portanto o leitor, para vislumbrar tal cenário, precisa “preencher as lacunas” da narrativa. De fato, além de não terminar nunca, seria extremamente indevido que o autor descrevesse tudo o que o leitor devesse compreender.

Acerca da velocidade, Eco nos apresenta um trecho da obra da italiana Carolina Invernizio e, resumidamente, uma referência ao escritor Franz Kafka. No texto de Carolina, por exemplo, há uma paleta de descrições climáticas, arquitetônicas e sonoras, enquanto a leitura de Metamorfose, de Kafka, inicia-se com a frase “Certa manhã, ao despertar de sonhos agitados, Gregor Samsa se viu transformado num inseto gigantesco”. Percebe-se que o público de Carolina não seria saciado com o trajeto narrativo de Metamorfose onde não existem justificativas descritas pelo autor referindo-se porquê de as coisas acontecerem como aconteceram. Com efeito, a velocidade será determinada pelo tipo de leitor a que se destina.

Tal necessidade da composição de uma história, onde o autor nos presenteia com lacunas a serem preenchidas, é mais bem representada pela segunda premissa que Eco identifica (da qual vou tratar mais afetuosamente nos próximos parágrafos) de que um bosque é precisamente uma metáfora para o texto narrativo: quando não há trilhas definitivas, qualquer um pode decidir qual caminho seguir, fazendo assim sua própria trilha.

Há casos onde o narrador quer que passemos a eternidade imaginando o que aconteceu na continuação de sua história, como o final de Arthur Gordon Pym, de Poe, que termina com a aparição dramática de “uma figura humana velada, muito maior em suas proporções que qualquer pessoa que habita entre os homens.” Não me surpreende que Julio Verne e H. P. Lovecraft, ambos escritores de ficção, tenham buscado preencher essa lacuna dando continuidade à história. Em outros casos, existem autores que denunciam nossa situação de perdidos no bosque, brincam com nossas trilhas tortuosas e mostram o quanto somos incapazes de progredir de maneira autônoma.

Considerando a multiplicidade de alternativas à história, os leitores intuem que um texto, assim como um bosque, é um emaranhado de trilhas confusas e infinitas a serem seguidas. Eco, no entanto, deixa bem claro que o leitor precisa fazer escolhas razoáveis para o preenchimento dessas lacunas ou, utilizando a segunda metáfora, decidir qual trilha adotar.

No texto de ficção o bom senso não deve ser o filtro das nossas decisões como leitores, do contrário nunca concluiríamos que o próximo personagem de um conto como “Chapeuzinho Vermelho” seria um lobo que fala. Contudo, se não é o bom senso, qual o critério utilizado para escolher esse ou aquele caminho?

Para responder essa pergunta, cerne da tese de Umberto Eco, é necessário definir o conceito de Leitor-Modelo, de Leitor-Empírico, de Autor-Modelo e de Autor-Empírico: O leitor-empírico de Eco é preso à experiência de leitura enquanto envolvimento particular: sente-se cúmplice do texto, às vezes o encara como seu próprio reflexo. Absorve o texto de maneira errada em relação ao tipo de leitor que o autor tinha em mente, no caso o leitor-modelo, aquele que interpreta um texto sem se envolver pessoalmente, buscando compreender a intenção da narrativa e, necessariamente, sustentar a ideia do texto cooperando para seu desígnio último. Enquanto o leitor-empírico faz uso do texto, toma o bosque como seu “jardim particular”; o leitor-modelo interpreta segundo as regras do jogo.
Mas que regras são essas sobrepujadas pelo leitor-empírico, que o leitor-modelo segue entusiasmado?

Naturalmente, o autor dispõe de sinais de gênero específicos que pode usar a fim de orientar seu leitor-modelo (ECO, 1994, p.16)

Eco elucida a aplicação de tais sinais através dos contos de fada, ao iniciar a narrativa com “Era uma vez”. Com isso, o autor manda um sinal especificando o tipo de leitor-modelo exigido na leitura da história, nesse caso uma criança ou alguém disposto a pensar como tal. Nota-se como Eco distribui as funções de cada integrante do processo de interpretação. Em suma, é razoável dizer que o leitor-modelo é aquele que lê o texto de acordo com a intenção do autor ao dirigir-se ao público. São essas as singulares conclusões pressupostas por Eco ao identificar que:

  1.  O leitor necessariamente preenche as lacunas do texto narrativo, migalhas deixadas pelo autor-modelo para a compreensão da intenção do texto.
  2. Essas lacunas são universais e, para segui-las com sucesso, devem-se obedecer às regras estabelecidas pelo autor-modelo.

Quanto ao autor, Eco nega a importância da biografia do mesmo no processo de interpretação. Não há nenhum interesse em conhecer a vida, as particularidades e as motivações de James Joyce ou Dostoievsky na leitura de Ulysses ou de Os Irmãos Karamazov. Por mais atraente que seja apreciar a história pessoal de cada indivíduo como se fôssemos companheiros freqüentes, nada nos ajuda na arte de interpretar seus textos – “não passam de mexericos”.

Para Eco existem três entidades a serem consideradas na interpretação do texto. Através do exemplo extraído da obra Sylvie, de Gérard de Nerval, nota-se a presença do personagem, identificado como Gérard Labrunie – muitas vezes confundido com o autor empírico Nerval -, um “cavalheiro que nasceu em 1808 e morreu (suicidando-se) em 1855” do “eu” narrador, aquele que conta a história; e, por fim, do autor-modelo, a voz autônoma que guia o texto desde o primeiro capítulo até a última letra do epílogo, direciona o olhar investigativo do leitor-modelo e prepara o caminho perfeito para o diálogo entre a intenção do texto e o receptor.

 uma voz que nos fala afetuosamente (ou imperiosamente, ou dissimuladamente), que nos quer a seu lado. Essa voz se manifesta como uma estratégia narrativa, um conjunto de instruções que nos são dadas passo a passo e que devemos seguir quando decidimos agir como o leitor-modelo (ECO, 1994, p. 21).

Segundo Eco, essa voz não tem gênero e poderia ser confundida com o estilo do texto, claro e evidente, se não fosse pelo fato de que ela não permanece acima da sua obra, mas se mantêm junto do leitor-modelo com bastante afeição e cuidado. Enquanto o leitor-modelo de Eco não apenas interage com o texto, mas nasce com o próprio texto, sendo o apoio essencial da interpretação. De fato, seria plausível afirmar que existem leitores-modelos para todos  os tipos de textos. Tanto para a narrativa aberta, que presenteia o leitor com alternativas no bosque, quanto para textos que preveem um leitor dócil, histórias inflexíveis e romances pornográficos.

Talvez o conceito geral ainda esteja borrado, devido às circunferências concedidas para responder a primeira grande questão, muito embora fosse necessário fazê-la para sua compreensão total. Porque então a interpretação consiste na relação entre o leitor-modelo e  o autor-modelo? Bom, se fosse diferente o bosque seria um espaço infinito, com caminhos intermináveis e a intenção do texto não seria identificada enquanto não se estabelecesse uma afeição entre o receptor e as regras desse maravilhoso jogo.

About Author

Criadora do @pausaparaumcafe, social media, formada em marketing, rata de biblioteca, intolerante à lactose e a pessoas de mau humor.

7 Comments

  • Kelry Caroline
    4 de fevereiro de 2013 at 14:54

    Eu particulamente não gosto desses livros de filosofia, mas pra quem gosta!

    Reply
  • JAMES MESQUITA
    4 de fevereiro de 2013 at 18:52

    Sinopse muito boa, profunda e precisa.

    Reply
  • Monica Silva
    5 de fevereiro de 2013 at 03:53

    Adoro textos que nos fazem questionar, afinal somos seres pensantes e precisamos de bons motivos para continuar pensando.

    Reply
  • Talita Silva
    5 de fevereiro de 2013 at 13:34

    O livro parece ser muito bom, só que aqueles livros bons,mas enfadonhos, mas totalmente bons e que vai nos ajudar pela vida toda, por causa das dicas e tals.

    Reply
  • Aymée Meira
    6 de fevereiro de 2013 at 23:20

    Foi um dos primeiros autores que li quando entrei na minha faculdade de cinema *-* confesso que foi um dos que mais me marcou na minha vida universitária. É um livro obrigatório pra quem quer se aventurar no meio.
    beijos

    Reply
  • Ester Ribeiro
    12 de fevereiro de 2013 at 13:32

    Gosto de filosofia. Mas acho que esse é um livro que eu ia dar uma pausa a cada 2 páginas. Acho que seja bom, mas não é um assunto que me atrai.

    Reply
  • Mô Figueiredo
    2 de novembro de 2016 at 22:28

    Obrigada pelo texto, ajudou bastante!

    Reply

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.