Menu
Literatura

[Resenha] Espadachim de Carvão de @AffonsoSolano | @fantasycdp

Por Anna Schermak e Danielle Voltolini

Kurgala é um mundo abandonado por Quatro Deuses. Adapak é filho de um deles. E hoje ele está sendo caçado. Perseguido por um misterioso grupo de assassinos, o jovem de pele cor de carvão se vê obrigado a deixar a ilha sagrada onde cresceu e a desbravar um mundo hostil e repleto de criaturas exóticas. Munido de uma sabedoria ímpar, mas dotado de uma inocência rara, ele agora precisará colocar em prática todo o conhecimento que adquiriu em seu isolamento para descobrir quem são seus inimigos. Mesmo que isso possa comprometer alguns dos segredos mais antigos de Kurgala.

 Atenção: As partes da Danielle estão em verde claro e da Anna em Branco.

Hoje essa resenha está diferente. Eu e a minha amiga super poderosa Danielle vamos escrever uma resenha dupla. Preparem-se para ouvir duas opinião sobre O Espadachim de Carvão de Affonso Solano, publicado pela Editora Fantasy – Casa da Palavra.

O Espadachim de Carvão conta uma história totalmente nova. Não espere nada do que você está acostumado. Cheio de nomes, lugares, raças e mitologias diferentes, Affonso faz sua estreia com charme e elegancia na literatura nacional brasileira, mostrando todo um talento (que eu já esperava) e que estava guardado apenas nos áudios de um tal Matando Robôs Gigantes.

485224_533268066716366_1750527545_n

 Ao adentrar ao fantástico mundo de Kurgala deixei todo o momento fã do lado de fora, de modo a fazer a leitura o mais crítica possível. Mas teve uma hora que não deu pra segurar, o senhor Solano superou todas as expectativas que eu tinha não só como fã, mas também como leitora compulsiva de fantasia.

Faço minhas as palavra da Danielle, a cada página que eu lia, a cada passo em que eu adentrava o mundo de Kurgala eu me deparava com monstros, seres, histórias cada dia mais fantásticas, histórias que nos mostram o porque de sermos leitores. E assim… por esse mesmo motivo começamos a nos identificar com nosso protagonista, Adapak. Um personagem que agrada a todos com seu jeito “affonso de ser” puro. – dá vontade de colocar num potinho.

Apesar do foco em Adapak os personagens que conhecemos durante toda a história ajudam a criar um clima de conhecimento. E assim crescemos dentro do universo criado pelo autor junto com o nosso herói, que também está ali, descobrindo aquele mundo. Conhecemos o pequeno Adapak e nos apaixonamos pelo caráter de um personagem que acabou virando nosso amigo.  Me peguei durante vários momentos da história perguntando para mim mesma se em algum momento poderia ajudar Adapak durante algum momento da sua jornada.

Esse ponto que a Anna salientou pra mim foi um dos mais interessantes: nós estamos conhecendo Kurgala junto com o Adapak. Ele está em uma posição um pouquinho melhor que a nossa em termos de conhecimento, mas é um conhecimento teórico apenas. Adapak não aprendeu com os livros e nem com a Casa sobre a malicia das pessoas.

O livro é dividido por capítulos que brincam com o passado e o futuro. Intercalando momentos que são precisos sem contar a história toda de uma vez. Deixando o mistério fluir aos poucos… a cada nova página. Ou seja, só conhecemos toda a história do espadachim quando terminamos o livro, mantendo o leitor ligado o tempo todo.

Isso é ótimo!
Confesso que em muitos momentos eu lia e ficava imaginando em que ponto eu poderia tirar uma xícara de café do livro. Mas isso se tornava mais difícil! Dizer que é perfeito parece ser muito opinião de fã. Nem todo o livro é perfeito. Nem mesmo Tolkien com suas descrições chaaaaaaaaatas. Mas O Espadachim, meio que equilibra os pontos e consegue ser um ótimo livro ainda em sua estreia!

Só vou ser chata aqui, e já até comentei com o Affonso sobre, a única coisa que me impede de elevar O Espadachim de Carvão a melhor livro da minha estante (tirando os clássicos, é claro), é a falta de desenhos lindos. Um apêndice cairia muito bem e serviria para aplacar o desejo dos fãs de verem mais da arte do senhor Solano, além de ajudar na visualização das raças, monstros e criaturas de Kurgala.

Eu não senti tanta falta dos desenhos como a Dani e os outros leitores porque não sou acostumada a ler quadrinhos e sinto um pouco incomodada quando não posso imaginar os personagens do meu jeito (mesmo que estejam errados na minha imaginação). O que realmente, parando para pensar agora é que falta no livro um “glossário”, são tantos nomes diferentes que mesmo prestando muita atenção acabamos meio perdidos. Isso ajudaria para aquela busca rápida quando você quer se lembrar daquele personagem que apareceu a um tempo atrás, daquele lugar ou até mesmo de qual era aquele Deus. (Super apoio!)

Quanto a história, nada em absoluto me fez torcer o nariz. Tudo, absolutamente tudo é muito bem estruturado, muito bem escrito. Os personagens são todos fabulosos. E o maldito do Solano consegue inserir criticas reais no meio da história, o que pra mim foi brilhante.

557959_531940196849153_2091900445_n

Realmente brilhante! Críticas a muitas coisas que as vezes nós mesmos queremos criticar e temos medo, receio… mas que quando são vindas de alguém tão sincero como Adapak é impossível não pensar em reavaliar as nossas atitudes.

Antes que eu e a Dani começamos a escrever uma tese de mestrado em cima do livro do Solano, precisamos chegar ao final e comentar a nossa nota. Preciso dizer que o Solano me surpreendeu com um final merecido. Eu não esperava mais, nem menos e senti meu coração em paz com um final que nós faz acreditar… (se segurando nos spoilers)

Eu soltei um sonoro xingamento e quis descontroladamente abraçar o Solano e agradecê-lo pelo final… *gesticulando sem conseguir encaixar uma palavra adequada* LINDO.

Com toda a parte gráfica que já é tradicional da Fantasy e seu trabalho lindo de folhas amarelas, bom espaçamento, fonte ótima e uma capa LIIIINDA! E claro…minha nota não pode ser menos de que 5 xícaras de café quentinho com uma intimação para que todos comprem o livro AGORA e o pedido de que eu preciso dar um abraço no Solano e agradecer pelo trabalho para criar essa história.

Pela Matriarca! A Anna falou tudo que eu queria, não vou ficar me enrolando… só digo que se você não for imediatamente atrás do seu exemplar… IKIBU!


E ai, curtiu nossa resenha dupla? Quer ver mais resenhas assim por aqui? Então comente no post <3 

Compre por R$29,90 

RESULTADO PROMOÇÃO DE MARCADORES!

promo

Comentário  10 = RAIZA!
Raiza, vamos entrar em contato pelo email que você deixou no comentário! 

Participe da promoção no blog!

sorteio

About Author

Criadora do @pausaparaumcafe, social media, formada em marketing, rata de biblioteca, intolerante à lactose e a pessoas de mau humor.

12 Comments

  • Raiza
    22 de abril de 2013 at 00:00

    Eu ainda não conhecia nem o livro e nem o autor e vou confessar que livros de premissa assim (Deuses, mitologia, Percy) não fazem nada meu gênero. Mas TANTOS elogios me fizeram ir atrás dele e dar mais uma olhadinha, afinal se vocês duas amaram tanto, o livro deve ter vários pontos a favor.

    Adorei a ideia da resenha dupla.

    Reply
  • Attaide
    22 de abril de 2013 at 17:53

    Concordo em “gênero, número e grau” com a resenha, apesar de ainda não ter terminado de ler, fico preso a leitura assim que começo, só dando uma pausa para um cafezinho.

    Reply
  • Luiz Abreu
    22 de abril de 2013 at 17:54

    Já estava ansioso pra ler esse livro,agora depois de ter lido a resenha estou convencido de que esse TEM de ser a minha próxima compra.

    Reply
  • camila santos
    22 de abril de 2013 at 18:02

    Depois de ler a resenha, já add na minha lista de favoritos e meta de leitura para 2013!!!

    Reply
  • João V.
    22 de abril de 2013 at 18:04

    Amei a resenha *-* Só aumentou a minha vontade comprar e ler u.u <3

    Reply
  • Melq
    22 de abril de 2013 at 18:47

    Não teve jeito, tive de comprar D:
    triste agora é não saber quando vou conseguir ler t.t

    Reply
  • bruno alves
    22 de abril de 2013 at 18:58

    comecei a ler, mas tive parar por causa da semana de provas da facu, agora q li a resenha estou mais empolgado!

    Reply
  • Jean Souza
    22 de abril de 2013 at 23:19

    Me surpreendi bastante com a resenha, afinal é muito difícil que um livro nos dias de hoje seja original e tenha uma história que realmente consiga surpreender, o livro já ganha uns pontinhos por ser de um autor brasileiro e por ter a capa linda, mas supera todas as expectativas mostrando um mundo novo -sentindo que li o livro- o fato dos nomes realmente pode ser um problema, sempre me perco em livros com muitos nomes diferentes T.T Mas como minhas considerações finais, só posso afirmar que preciso realmente ler este livro, parece perfeito -capa, editora e título- a estória me conquistou somente pela sinopse pela ótima resenha de vocês, precisando de um exemplar pra agora!!

    Reply
  • Amanda Mendes
    22 de abril de 2013 at 23:20

    Eu amo livros de fantasia, que te leva para lugares diferentes e novos e que desperta a imaginação e a criatividade. Pude ver pela resenha que este é um livro do jeitinho que eu amo! Que te leva para “fora da casinha”. E pelo que eu entendi é um escritor nacional! Não é? Isto é muito bom mesmo! Não vejo a hora de poder adquirir este novo mundo para a minha estante!

    Reply
  • Raiza
    22 de abril de 2013 at 23:32

    Eu ainda não conhecia nem o livro e nem o autor e vou confessar que livros de premissa assim (Deuses, mitologia, Percy) não fazem nada meu gênero. Mas TANTOS elogios me fizeram ir atrás dele e dar mais uma olhadinha, afinal se vocês duas amaram tanto, o livro deve ter vários pontos a favor.

    Adorei a ideia da resenha dupla. Ficou ótima.

    Reply
  • Jarles Tarsso
    22 de abril de 2013 at 23:59

    A resenha dá uma boa contribuição para aguçar a curiosidade, mas o livro não faz bem meu tipo. Não sei se me agradaria

    Reply
  • espadachim
    8 de agosto de 2013 at 17:46

    espadachim…

    Para Internet Mercado Blog eu quero [Resenha] Espadachim de Carvo de @AffonsoSolano | @fantasycdp … muito…

    Reply

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.