Menu
Literatura

[Resenha] Os Seis Imperadores do Apocalypse de Daniel Deschamps

Os Seis Imperadores do Apocalypse – A Espada de Jhoriun

Autor: Daniel Deschamps
Editora: Multifoco
Ano: 2012
Gênero: Ficção
Páginas: 304

Comprar o Livro

Sinopse: Os Seis Imperadores do Apocalypse – A Espada de Jhoriun é o primeiro livro de uma série de ficção que se principia com a jornada de Kurt Kerrick, um missionário americano em trabalho de alfabetização de tribos indígenas no Brasil, que se vê preso numa dimensão desconhecida chamada Mundo da Violência. Trata-se de um mundo paralelo onde a maldade humana predomina, um lugar maldito regido por Ognus, o Senhor absoluto de toda a violência existente desde os primórdios da humanidade. …

Resenha do Livro Os Seis Imperadores do Apocalypse

Como estou feliz, sério, cada dia fico mais feliz com os livros brasileiros que o blog tem me proporcionado a ler. Primeiro foi O Sonho de Eva essa semana, agora Os Seis Imperadores do Apocalypse.

Muito bom! Sabe aquele livro que explode sua cabeça? Sim, aquele livro que é realmente bom e você fica “Cara, que @#$%#%1!”?

É meus amigos, eu acho ai um promissor autor nacional que deveria ser reconhecido. Por favor editoras, olhem para cá!
Enquanto lia a história que Daniel desenvolveu não conseguia parar de pensar em H.P. Lovecraft. Sim! Os dois tem um jeito de escrita bem parecido.

“Os espíritos dançavam velozmente cruzando o salão em todas as direções deixando Ognus desnorteado e sem saber o que fazer. Uma sensação insuportável do mais puro hororfez Kurt e os outro petrificarem-se onde estavam, embora não mais estivessem dominados pelos feitiços paralisantes de Ognous.”

Daniel consegue descrever o terror bizzaro (no bom sentido) com seus monstros e um universo paralelo que envolve tanto ao ponto de você achar que esta dentro da história, lendo o diário com Miguel e seus amigos.

A história prende. Daniel tem uma justificativa super interessante para as maldades do mundo. E uma justificativa que eu até compreenderia se fosse realmente verdadeira. Tudo faria sentido. Sério!

O interessante desse primeiro livro é como cada personagem tem seu papel importante durante a aventura de um grupo que se conhece por causa da adversidade que irão passar na luta contra o mal.

“Maníacos se misturavam às pessoas comuns – algumas inclusive recém-chegadas. Naquele momento esqueciam que eram perseguidores e vítimas. Ver um quebrador derrotado daquela maneira não acontecia todos os dias.”

Não existe o bundão que não faz nada e só o herói forte e fantástico. Não. Cada um cresce durante a narrativa de uma forma justificável. É uma ficção não fantasiosa e com personagens que seriam muito bem interpretados por mim ou por você.

Daniel me ganhou! Os Seis Imperadores do Apocalypse vai para a lista de “Indique para todos Anna”!

O livro merece 4,5 xícaras de café quentinho, aproveitem a leitura e aguardem os próximos livros dessa série que promete!

– Aproveite para participar do #TOPComentarista de Agosto comentando nesse post!

 

 

About Author

Criadora do @pausaparaumcafe, social media, formada em marketing, rata de biblioteca, intolerante à lactose e a pessoas de mau humor.

13 Comments

  • Fabíola Batista
    24 de agosto de 2012 at 22:53

    parece bem interessante, embora não seja o tipo de livro que eu compraria.

    Reply
  • Raj
    25 de agosto de 2012 at 17:05

    Já encomendei o meu, adoro livros assim. E o autor parece ser bom mesmo.

    Reply
  • Eduardo
    25 de agosto de 2012 at 18:41

    Universos paralelos é um tema bem batido, o que não quer dizer que o livro necessariamente seja repetitivo, pois pode apresentar novos elementos, a forma como é escrito, os objetivos e os rumos que a história toma.

    Gosto de personagens “normais”, com qualidades e defeitos, que se desenvolvem e se transformam durante a trama. Por outro lado, a história parece ser centrada num conflito contra o mal, que faz lembrar justamente o esquema mocinho/bandido, que não é algo que aprecio. De qualquer forma, fiquei curioso para conhecer a teoria do autor sobre o mal…

    O que eu chamo a atenção é que o tema do começo do livro, tribos indígenas, é pouco explorado atualmente. Espero que o autor tenha desenvolvido bem essa parte, e que outros autores também escrevam sobre o assunto, porque as referências literárias que temos são de séculos anteriores, como José de Alencar, Dee Brown, Fenimore Cooper.

    Reply
  • Raj
    26 de agosto de 2012 at 01:02

    O tema pode ser batido, mas o que importa é a originalidade do autor. Existem vários temas já saturados, e aí surge alguém e faz uma obra-prima com o tema batido em questão. É só ver o sucesso de The walking dead, zumbis já estavam superbatidos e olha qts fãs cultuam os quadrinhos e a série hoje.

    Reply
  • Bruno
    27 de agosto de 2012 at 12:47

    Com ctz vou encomendar este livro, sou alucinado por este tipo de leitura. Infelizmente, nesse País de pouca leitura não se vê algo tão bom, principalmente feito por um autor nacional. Temos que contemplar.

    Reply
  • Jamile Pino
    27 de agosto de 2012 at 12:56

    Concordo com a Fabiola, parece bem interessante para quem gosta do tema mas não é o tipo de livro que eu compraria.

    Reply
  • Isabel
    27 de agosto de 2012 at 16:09

    Show de bola… comprei e ameiiiiii!!

    Reply
  • Aymée Meira
    28 de agosto de 2012 at 03:49

    vc falou tão bem q foi pra minha lista… quero quero pq quero uhauhsuhuha

    beijos

    Reply
  • Jessica Moura
    1 de setembro de 2012 at 00:45

    Interessante. Assim como você fico feliz em ver que autores Brasileiros são tão promissores quanto os do resto do mundo. Se eu fosse numa livraria provavelmente não me ateria a ele por causa da capa (é, estou começando a perceber que tenho sério problemas com capas), o nome também não dá muitos indícios.
    Gosto de livros de terror (uma das minhas grandes vontades desde que aprendi a gostar de leitura). A resenha foi bem entusiasta. Gostei muito!

    Beijos!

    Reply
  • Carolina Moniz
    5 de setembro de 2012 at 17:00

    Cada dia que passa mais autores brasileiros começam a ser reconhecidos… achei muito interessane esa história e fiquei com muita vontade de ler! Esse ar “mágico” que tem no livro parece ser muito BOM! hahaha’ me animei! É bom saber que existem bom autores brasileiros, e além do mais, eles precisam ficar mais conhecidos! né mesmo?

    õ/

    Reply
  • Jonathan
    28 de setembro de 2012 at 19:53

    Vale lembrar que o autor escrevia contos na minha comunidade do Orkut. Orgulho de ver esse cara crescendo no ramo!

    Reply
    • Val M.
      29 de setembro de 2012 at 10:43

      Um dia verás eu no ramo tb. Por enquanto são só linhas à caneta.

      Bacana ver o trabalho do cara. É um verdadeiro tsunami estes livros de ficção (meu marido compra e lê tudo que é série) mas achei interessante as “tribos indígenas”.

      Reply
  • Lua
    20 de outubro de 2012 at 14:16

    Eu li esse livro e achei simplesmente: GENIAL! Queria dizer que fico cada vez mais feliz com o crescimento dos escritores brasileiros. É o tipo de livro que eu adoro. É de uma tristeza imensurável ver que livros como: 50 tons de cinza fazem sucesso.
    Nota 10 para o livro, e para o escritor!

    Reply

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.