“Remissão da Pena” de Modiano e a espera por algo que nunca chega.

“Remissão da Pena” de Modiano e a espera por algo que nunca chega.

O ano de 2015 está sendo marcante em um quesito: ler autores que sempre me recomendavam e eu teimava em nunca iniciar a leitura. Nesse carnaval eu tive a oportunidade de começar (e terminar) de ler “Remissão da Pena” do autor francês Patrick Modiano que ganhou o nobel de 2014.

Modiano é autor de inúmeros livros, mas recentemente, “Remissão da Pena” foi lançado pelo Grupo Editorial Record em uma edição linda. Aproveitei o momento e não me arrependi da leitura.

IMG_2090

“Remissão da Pena” é uma biografia romanceada, é uma forma bonita e quase poética de Modiano contar sua história, nos mostrar figuras marcantes de sua vida e deixar de um jeito subentendido uma mensagem bonita que tranca no coração da gente.

A biografia, narrada a partir de lembranças de uma infância, não parece tão distante e conta com personagens importantes. Das mulheres que criam Patrick e seu irmão, duas se destacam. Uma delas que parece segurar a tristeza nos braços e outra que caiu dos sonhos e foi artista de circo. Essas mulheres são importantes e ganham destaque na narração do jovem. Aqui também encontramos Jean D. e Roger Vincent, personagens icônicos e tão bem narrados que eu poderia reconhecer Roger Vincent se e o encontrasse na rua.

 A história que se passa principalmente na rue du Docteur-Dornaine fala sobre a infância, sobre a inocência e acima de tudo: sobre a espera. Essa biografia se perde em pequenos momentos de espera, espaços de tempo que não voltam e te deixam com um sentimento latente de esperar por alguma coisa que nunca chega ou não pensa em voltar.

IMG_2091

Esse sentimento faz com que o final, quando chega, mostre que algo está faltando… Quem você esqueceu de buscar, o que nunca chegou e o quanto de nós existe em Patrick e seu irmão esperando naquela porta?

Sempre gostei de ler biografias, mas de um jeito especial terminei “Remissão da Pena” com um certo estranhamento que depois de um longo tempo, já me fez querer guardar o livro no coração e me lembrar que as vezes precisamos esperar para que algumas leituras façam sentido dentro da gente, principalmente quando o livro deixa um silencio tão grande em nosso próprio vazio.

IMG_2089

ISBN: 9788501102751 | Ano: 2015 | Páginas: 128 | Idioma: português | Editora: Record

Patrick Modi­ano é um escri­tor fran­cês, ven­ce­dor de alguns dos mais pres­ti­gi­a­dos galar­dões lite­rá­rios de França, como o Pré­mio Gon­court em 1978, o Grande Pré­mio de Romance da Aca­de­mia Fran­cesa em 1972 e o Grande Pré­mio Naci­o­nal das Letras em 1996. Patrick Modi­ano é con­si­de­rado um mes­tre da lite­ra­tura fran­cesa con­tem­po­râ­nea e ganhou o Prêmio Nobel de Literatura de 2014.

editoras

CLIQUE AQUI PARA COMPRAR 

Baci ;*

Aproveite para nos seguir nas redes sociais!
Facebook Instagram Twitter Tumblr Google + ? Pinterest Youtube ?Blogvin Flickr

Anna Schermak
Anna Schermak

Criadora do @pausaparaumcafe, social media, formada em marketing, rata de biblioteca, intolerante à lactose e a pessoas de mau humor.

6 comments

Leave a comment
  1. Nicolas Ueda

    20 de fevereiro de 2015 at 21:00

    To vendo que você tá seguindo um padrão de cores nas fotografias, tá bem legal. Meio que deixa a foto no mesmo clima que a capa e o livro tentam passar. E já vai criando um estilo pra suas fotos. 🙂

    • Anna Schermak

      21 de fevereiro de 2015 at 23:39

      Que bom que você notou, fico muito feliz com isso!

      Eu gostei muito das fotos dessa resenha, acho que ficou bem no clima do livro, pelo menos para mim.

  2. Karollyna

    21 de fevereiro de 2015 at 15:38

    Nossa eu li no jornal sobre essa reedição e fiquei muito curiosa pra conferir o livro e agora estou mais curiosa ainda! rsrsrs Valeu a dica 🙂

    http://www.miniquiteria.com

    • Anna Schermak

      21 de fevereiro de 2015 at 23:39

      Oi Karol, vale muito a pena 😉
      Acho que você vai gostar!

  3. Fátima Do Coutto

    25 de fevereiro de 2015 at 22:02

    Tive a honra e o prazer de traduzir este livro e fico contente por você ter lido e gostado. Acho que em todas as resenhas deveria constar o nome dos tradutores. Falo não apenas por mim, mas por todos meus colegas de profissão. Afinal, quando lemos uma tradução, muito do que lemos é fruto do trabalho do mergulho do profissional no universo do autor.

Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.